Receitas tradicionais

Designer faz novos carrinhos de comida para aviões

Designer faz novos carrinhos de comida para aviões

Um designer britânico está planejando um carrinho de comida mais comprido e mais magro

O novo sistema de entrega de alimentos Orbit para aviões.

Nada é mais chato do que ficar preso atrás de um carrinho de comida desajeitado e desajeitado em um pequeno corredor de avião (e temos certeza de que os comissários de bordo também não gostam disso). Felizmente, um estilista britânico está assumindo o carrinho de comida desatualizado e fazendo uma reforma.

Relatórios quebraram aquele designer freelance Heather Dunne está trabalhando no Orbit Aircraft Food Delivery System para tornar as refeições em aviões econômicos mais fáceis para todos. Após extensa pesquisa com a ajuda de tripulantes de cabine e passageiros, o novo design de Dunne economiza espaço - ao torná-lo 20 centímetros mais longo e 10 centímetros mais fino, torna mais fácil para as pessoas passarem por ele. O novo design também comportará mais comida do que o carrinho de comida tradicional, 60 refeições em comparação com as escassas 40 refeições. Ainda melhor: o sistema Orbit travará em um trilho, para que as pessoas sentadas nos assentos do corredor não tenham mais medo de ser atropeladas por um carrinho desajeitado.

Verificação de saída Designs de Dunne e tenha um vislumbre (o que esperamos que seja) do futuro das refeições em aviões. Agora, vamos à tarefa de fazer com que a comida das companhias aéreas seja saborosa.


Bandeja de refeição a bordo reinventada com embalagem ecológica e comestível

O estúdio de design PriestmanGoode revelou recentemente um conceito inovador e sustentável de bandeja para refeições a bordo que inclui embalagens comestíveis. O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação.

“A cada ano, cerca de 5,7 milhões de toneladas de resíduos de cabine são gerados em voos de passageiros, variando de plástico de uso único a kits de amenidades, fones de ouvido e resíduos de alimentos”, diz PriestmanGoode. “Mas a natureza está exigindo que mudemos nosso comportamento.”

Ao repensar a bandeja de refeição, a PriestmanGoode queria criar um novo conceito que reduziria o peso, o uso de plásticos descartáveis ​​e outros resíduos envolvidos com o serviço de refeições a bordo. Ao fazer isso, o estúdio explorou uma variedade de materiais seguros para alimentos, de xícaras feitas de borra de café a algas, bambu e casca de arroz. No projeto final, a equipe adotou materiais comestíveis, biodegradáveis ​​e comercialmente compostáveis, como saladas acompanhadas com folha de bananeira ou tampa de algas.

O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação

O conceito final de bandeja durante o voo inclui uma bandeja reutilizável feita de pó de café e cascas misturadas com ligante de lignina pratos de base reutilizáveis ​​feitos de farelo de trigo tampa do prato feito de algas ou tampa de sobremesa comestível de folha de banana feita de wafer reutilizável spork feito de madeira de coco pequeno cápsulas usadas para molhos ou leite feitos de alga solúvel em copo reutilizável com um exterior feito de casca de arroz, aglutinante de PLA e forro de algas e uma tampa de refeição principal quente feita de bambu.

“Embora atualmente não exista uma solução perfeita, esta proposta de design visa encorajar fornecedores e companhias aéreas a repensar o serviço de refeições de uma forma mais ecológica, particularmente à frente da legislação para proibir o plástico de uso único, que em alguns países é proposto como no início de 2021 ”, disse Jo Rowan, diretora de estratégia associada da PriestmanGoode.

A equipa de design também surgiu com uma nova solução de garrafa de água de viagem, feita de bio-plástico biodegradável e comercialmente compostável e cortiça. A garrafa de água pode ser reutilizada por um período de curto prazo, idealmente durante as férias, e foi projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico descartável vendida em aeroportos. O formato da garrafa também é mais eficiente para viagens aéreas, cabendo perfeitamente no bolso do encosto de uma aeronave.

A garrafa de água é projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico de uso único vendida em aeroportos

“A ideia seria revisitar também a disponibilização de postos de recarga em infraestrutura, para que você pudesse esvaziar sua garrafa de água antes do segurança nos aeroportos, e reabastecê-la logo após, bem como no pré-embarque”, diz PriestmanGoode. “Um carrinho com refrigerador de água ficaria a bordo da aeronave, permitindo aos passageiros reabastecer durante o voo. Um sistema de resfriamento de água também pode ser instalado nas áreas da cozinha do avião, agindo como um incentivo adicional para os passageiros se levantarem durante voos de longo curso e aumentar o fluxo sanguíneo - um aspecto importante para a saúde em viagens de longo curso. ”

O elemento final do projeto "Get Onbaord" visa trabalhar com fabricantes e fornecedores para adotar novos materiais sustentáveis, que incorporem um design circular ou desperdício zero. Esses materiais incluem: ECONYL, um fio de náilon regenerado feito de redes de pesca, fios de algas marinhas, madeira de abacaxi e vidro reciclado Tasman.

“Design significa usar pensamento criativo e resolução de problemas para ver como podemos melhorar as coisas, como minimizar recursos e desperdícios e como podemos incentivar a mudança no comportamento do consumidor”, diz Rowan. “Queremos aumentar a conscientização sobre quanto lixo é gerado quando viajamos e explorar alternativas que abordem o fornecimento de produtos e serviços, mas também o que cada indivíduo pode fazer para nos levar a uma indústria de viagens mais sustentável.”

O projeto "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" está atualmente em exibição no Design Museum de Londres até 9 de fevereiro de 2020.


Bandeja de refeição a bordo reinventada com embalagem ecológica e comestível

O estúdio de design PriestmanGoode revelou recentemente um conceito inovador e sustentável de bandeja para refeições a bordo que inclui embalagens comestíveis. O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação.

“A cada ano, cerca de 5,7 milhões de toneladas de resíduos de cabine são gerados em voos de passageiros, variando de plástico de uso único a kits de amenidades, fones de ouvido e resíduos de alimentos”, diz PriestmanGoode. “Mas a natureza está exigindo que mudemos nosso comportamento.”

Ao repensar a bandeja de refeição, a PriestmanGoode queria criar um novo conceito que reduziria o peso, o uso de plásticos descartáveis ​​e outros resíduos envolvidos com o serviço de refeições a bordo. Ao fazer isso, o estúdio explorou uma variedade de materiais seguros para alimentos, de xícaras feitas de borra de café a algas, bambu e casca de arroz. No projeto final, a equipe adotou materiais comestíveis, biodegradáveis ​​e comercialmente compostáveis, como saladas acompanhadas com folha de bananeira ou tampa de algas.

O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação

O conceito final de bandeja durante o voo inclui uma bandeja reutilizável feita de pó de café e cascas misturadas com lignina ligante pratos de base reutilizáveis ​​feitos de farelo de trigo tampa do prato feito de algas ou tampa de sobremesa comestível de folha de banana feita de bolacha de spork reutilizável de madeira de coco pequeno cápsulas usadas para molhos ou leite feitos de alga solúvel em copo reutilizável com um exterior feito de casca de arroz, aglutinante de PLA e forro de algas e uma tampa de refeição principal quente feita de bambu.

“Embora atualmente não haja uma solução perfeita, esta proposta de design visa encorajar fornecedores e companhias aéreas a repensar o serviço de refeições de uma maneira mais ecologicamente correta, especialmente à frente da legislação que proíbe o plástico de uso único, o que em alguns países é proposto como no início de 2021 ”, disse Jo Rowan, diretora de estratégia associada da PriestmanGoode.

A equipa de design também surgiu com uma nova solução de garrafa de água de viagem, feita de bio-plástico biodegradável e comercialmente compostável e cortiça. A garrafa de água pode ser reutilizada por um período de curto prazo, idealmente durante as férias, e foi projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico descartável vendida em aeroportos. O formato da garrafa também é mais eficiente para viagens aéreas, cabendo perfeitamente no bolso do encosto de uma aeronave.

A garrafa de água é projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico de uso único vendida em aeroportos

“A ideia seria revisitar também a disponibilização de postos de recarga em infraestrutura, para que você pudesse esvaziar sua garrafa de água antes do segurança nos aeroportos, e reabastecê-la logo após, bem como no pré-embarque”, diz PriestmanGoode. “Um carrinho com refrigerador de água ficaria a bordo da aeronave, permitindo aos passageiros reabastecer durante o voo. Um sistema de refrigerador de água também pode ser instalado nas áreas da cozinha do avião, agindo como um incentivo adicional para os passageiros se levantarem durante voos de longo curso e aumentar o fluxo sanguíneo - um aspecto importante para a saúde em viagens de longo curso. ”

O elemento final do projeto "Get Onbaord" visa trabalhar com fabricantes e fornecedores para adotar novos materiais sustentáveis, que incorporem um design circular ou desperdício zero. Esses materiais incluem: ECONYL, um fio de náilon regenerado feito de redes de pesca, fios de algas marinhas, madeira de abacaxi e vidro reciclado Tasman.

“Design significa usar pensamento criativo e resolução de problemas para ver como podemos melhorar as coisas, como minimizar recursos e desperdícios e como podemos incentivar a mudança no comportamento do consumidor”, diz Rowan. “Queremos aumentar a conscientização sobre quanto lixo é gerado quando viajamos e explorar alternativas que abordem o fornecimento de produtos e serviços, mas também o que cada indivíduo pode fazer para nos levar a uma indústria de viagens mais sustentável.”

O projeto "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" está atualmente em exibição no Design Museum de Londres até 9 de fevereiro de 2020.


Bandeja de refeição a bordo reinventada com embalagem ecológica e comestível

O estúdio de design PriestmanGoode revelou recentemente um conceito inovador e sustentável de bandeja para refeições a bordo que inclui embalagens comestíveis. O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação.

“A cada ano, cerca de 5,7 milhões de toneladas de resíduos de cabine são gerados em voos de passageiros, variando de plástico de uso único a kits de amenidades, fones de ouvido e resíduos de alimentos”, diz PriestmanGoode. “Mas a natureza está exigindo que mudemos nosso comportamento.”

Ao repensar a bandeja de refeição, a PriestmanGoode queria criar um novo conceito que reduziria o peso, o uso de plásticos descartáveis ​​e outros resíduos envolvidos com o serviço de refeições a bordo. Ao fazer isso, o estúdio explorou uma variedade de materiais seguros para alimentos, de xícaras feitas de borra de café a algas, bambu e casca de arroz. No projeto final, a equipe adotou materiais comestíveis, biodegradáveis ​​e comercialmente compostáveis, como saladas acompanhadas com folha de bananeira ou tampa de algas.

O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação

O conceito final de bandeja durante o voo inclui uma bandeja reutilizável feita de pó de café e cascas misturadas com lignina ligante pratos de base reutilizáveis ​​feitos de farelo de trigo tampa do prato feito de algas ou tampa de sobremesa comestível de folha de banana feita de bolacha de spork reutilizável de madeira de coco pequeno cápsulas usadas para molhos ou leite feitos de copo reutilizável de algas solúveis com um exterior feito de casca de arroz, aglutinante de PLA e forro de algas e uma tampa de refeição principal quente feita de bambu.

“Embora atualmente não haja uma solução perfeita, esta proposta de design visa encorajar fornecedores e companhias aéreas a repensar o serviço de refeições de uma maneira mais ecologicamente correta, especialmente à frente da legislação que proíbe o plástico de uso único, o que em alguns países é proposto como no início de 2021 ”, disse Jo Rowan, diretora de estratégia associada da PriestmanGoode.

A equipa de design também surgiu com uma nova solução de garrafa de água de viagem, feita de bio-plástico biodegradável e comercialmente compostável e cortiça. A garrafa de água pode ser reutilizada por um período de curto prazo, idealmente durante as férias, e é projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico de uso único vendida em aeroportos. O formato da garrafa também é mais eficiente para viagens aéreas, cabendo perfeitamente no bolso do encosto de uma aeronave.

A garrafa de água é projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico de uso único vendida em aeroportos

“A ideia seria revisitar também a disponibilização de postos de recarga em infraestrutura, para que você pudesse esvaziar sua garrafa de água antes do segurança nos aeroportos e reabastecê-la logo após, bem como no pré-embarque”, diz PriestmanGoode. “Um carrinho com refrigerador de água ficaria a bordo da aeronave, permitindo aos passageiros reabastecer durante o voo. Um sistema de refrigerador de água também pode ser instalado nas áreas da cozinha do avião, agindo como um incentivo adicional para os passageiros se levantarem durante voos de longo curso e aumentar o fluxo sanguíneo - um aspecto importante para a saúde em viagens de longo curso. ”

O elemento final do projeto "Get Onbaord" visa trabalhar com fabricantes e fornecedores para adotar novos materiais sustentáveis, que incorporem um design circular ou desperdício zero. Esses materiais incluem: ECONYL, um fio de náilon regenerado feito de redes de pesca, fios de algas marinhas, madeira de abacaxi e vidro reciclado Tasman.

“Design significa usar pensamento criativo e resolução de problemas para ver como podemos melhorar as coisas, como minimizar recursos e desperdícios e como podemos incentivar a mudança no comportamento do consumidor”, diz Rowan. “Queremos aumentar a conscientização sobre quanto lixo é gerado quando viajamos e explorar alternativas que abordem o fornecimento de produtos e serviços, mas também o que cada indivíduo pode fazer para nos levar a uma indústria de viagens mais sustentável.”

O projeto "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" está atualmente em exibição no Design Museum de Londres até 9 de fevereiro de 2020.


Bandeja de refeição a bordo reinventada com embalagem ecológica e comestível

O estúdio de design PriestmanGoode revelou recentemente um conceito inovador e sustentável de bandeja para refeições a bordo que inclui embalagens comestíveis. O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação.

“A cada ano, cerca de 5,7 milhões de toneladas de resíduos de cabine são gerados em voos de passageiros, variando de plástico de uso único a kits de amenidades, fones de ouvido e resíduos de alimentos”, diz PriestmanGoode. “Mas a natureza está exigindo que mudemos nosso comportamento.”

Ao repensar a bandeja de refeição, a PriestmanGoode queria criar um novo conceito que reduziria o peso, o uso de plásticos descartáveis ​​e outros resíduos envolvidos com o serviço de refeição a bordo. Ao fazer isso, o estúdio explorou uma variedade de materiais seguros para alimentos, de xícaras feitas de borra de café a algas, bambu e casca de arroz. No projeto final, a equipe adotou materiais comestíveis, biodegradáveis ​​e comercialmente compostáveis, como saladas acompanhadas com folha de bananeira ou tampa de algas.

O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria da aviação.

O conceito final de bandeja durante o voo inclui uma bandeja reutilizável feita de pó de café e cascas misturadas com ligante de lignina pratos de base reutilizáveis ​​feitos de farelo de trigo tampa do prato feito de algas ou tampa de sobremesa comestível de folha de banana feita de wafer reutilizável spork feito de madeira de coco pequeno cápsulas usadas para molhos ou leite feitos de alga solúvel em copo reutilizável com um exterior feito de casca de arroz, aglutinante de PLA e forro de algas e uma tampa de refeição principal quente feita de bambu.

“Embora atualmente não haja uma solução perfeita, esta proposta de design visa encorajar fornecedores e companhias aéreas a repensar o serviço de refeições de uma maneira mais ecologicamente correta, especialmente à frente da legislação que proíbe o plástico de uso único, o que em alguns países é proposto como no início de 2021 ”, disse Jo Rowan, diretora de estratégia associada da PriestmanGoode.

A equipa de design também surgiu com uma nova solução de garrafa de água de viagem, feita de bio-plástico biodegradável e comercialmente compostável e cortiça. A garrafa de água pode ser reutilizada por um período de curto prazo, idealmente durante as férias, e foi projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico descartável vendida em aeroportos. O formato da garrafa também é mais eficiente para viagens aéreas, cabendo perfeitamente no bolso do encosto de uma aeronave.

A garrafa de água é projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico de uso único vendida em aeroportos

“A ideia seria revisitar também a disponibilização de postos de recarga em infraestrutura, para que você pudesse esvaziar sua garrafa de água antes do segurança nos aeroportos, e reabastecê-la logo após, bem como no pré-embarque”, diz PriestmanGoode. “Um carrinho com refrigerador de água ficaria a bordo da aeronave, permitindo aos passageiros reabastecer durante o voo. Um sistema de refrigerador de água também pode ser instalado nas áreas da cozinha do avião, agindo como um incentivo adicional para os passageiros se levantarem durante voos de longo curso e aumentar o fluxo sanguíneo - um aspecto importante para a saúde em viagens de longo curso. ”

O elemento final do projeto "Get Onbaord" visa trabalhar com fabricantes e fornecedores para adotar novos materiais sustentáveis, que incorporem um design circular ou desperdício zero. Esses materiais incluem: ECONYL, um fio de náilon regenerado feito de redes de pesca, fios de algas marinhas, madeira de abacaxi e vidro reciclado Tasman.

“Design significa usar pensamento criativo e resolução de problemas para ver como podemos melhorar as coisas, como minimizar recursos e desperdícios e como podemos incentivar a mudança no comportamento do consumidor”, diz Rowan. “Queremos aumentar a conscientização sobre quanto lixo é gerado quando viajamos e explorar alternativas que abordem o fornecimento de produtos e serviços, mas também o que cada indivíduo pode fazer para nos levar a uma indústria de viagens mais sustentável.”

O projeto "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" está atualmente em exibição no Design Museum de Londres até 9 de fevereiro de 2020.


Bandeja de refeição a bordo reinventada com embalagem ecológica e comestível

O estúdio de design PriestmanGoode revelou recentemente um conceito inovador e sustentável de bandeja para refeições a bordo que inclui embalagens comestíveis. O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação.

“A cada ano, cerca de 5,7 milhões de toneladas de resíduos de cabine são gerados em voos de passageiros, variando de plástico de uso único a kits de amenidades, fones de ouvido e resíduos de alimentos”, diz PriestmanGoode. “Mas a natureza está exigindo que mudemos nosso comportamento.”

Ao repensar a bandeja de refeição, a PriestmanGoode queria criar um novo conceito que reduziria o peso, o uso de plásticos descartáveis ​​e outros resíduos envolvidos com o serviço de refeições a bordo. Ao fazer isso, o estúdio explorou uma variedade de materiais seguros para alimentos, de xícaras feitas de borra de café a algas, bambu e casca de arroz. No projeto final, a equipe adotou materiais comestíveis, biodegradáveis ​​e comercialmente compostáveis, como saladas acompanhadas com folha de bananeira ou tampa de algas.

O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação.

O conceito final de bandeja durante o voo inclui uma bandeja reutilizável feita de pó de café e cascas misturadas com ligante de lignina pratos de base reutilizáveis ​​feitos de farelo de trigo tampa do prato feito de algas ou tampa de sobremesa comestível de folha de banana feita de wafer reutilizável spork feito de madeira de coco pequeno cápsulas usadas para molhos ou leite feitos de alga solúvel em copo reutilizável com um exterior feito de casca de arroz, aglutinante de PLA e forro de algas e uma tampa de refeição principal quente feita de bambu.

“Embora atualmente não haja uma solução perfeita, esta proposta de design visa encorajar fornecedores e companhias aéreas a repensar o serviço de refeições de uma maneira mais ecologicamente correta, especialmente à frente da legislação que proíbe o plástico de uso único, o que em alguns países é proposto como no início de 2021 ”, disse Jo Rowan, diretora de estratégia associada da PriestmanGoode.

A equipa de design também surgiu com uma nova solução de garrafa de água de viagem, feita de bio-plástico biodegradável e comercialmente compostável e cortiça. A garrafa de água pode ser reutilizada por um período de curto prazo, idealmente durante as férias, e foi projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico descartável vendida em aeroportos. O formato da garrafa também é mais eficiente para viagens aéreas, cabendo perfeitamente no bolso do encosto de uma aeronave.

A garrafa de água é projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico de uso único vendida em aeroportos

“A ideia seria revisitar também a disponibilização de postos de recarga em infraestrutura, para que você pudesse esvaziar sua garrafa de água antes do segurança nos aeroportos e reabastecê-la logo após, bem como no pré-embarque”, diz PriestmanGoode. “Um carrinho com refrigerador de água ficaria a bordo da aeronave, permitindo aos passageiros reabastecer durante o voo. Um sistema de resfriamento de água também pode ser instalado nas áreas da cozinha do avião, agindo como um incentivo adicional para os passageiros se levantarem durante voos de longo curso e aumentar o fluxo sanguíneo - um aspecto importante para a saúde em viagens de longo curso. ”

O elemento final do projeto "Get Onbaord" visa trabalhar com fabricantes e fornecedores para adotar novos materiais sustentáveis, que incorporem um design circular ou desperdício zero. Esses materiais incluem: ECONYL, um fio de náilon regenerado feito de redes de pesca, fios de algas marinhas, madeira de abacaxi e vidro reciclado Tasman.

“Design significa usar pensamento criativo e resolução de problemas para ver como podemos melhorar as coisas, como minimizar recursos e desperdícios e como podemos incentivar a mudança no comportamento do consumidor”, diz Rowan. “Queremos aumentar a conscientização sobre quanto lixo é gerado quando viajamos e explorar alternativas que abordem o fornecimento de produtos e serviços, mas também o que cada indivíduo pode fazer para nos levar a uma indústria de viagens mais sustentável.”

O projeto "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" está atualmente em exibição no Design Museum de Londres até 9 de fevereiro de 2020.


Bandeja de refeição a bordo reinventada com embalagem ecológica e comestível

O estúdio de design PriestmanGoode revelou recentemente um conceito inovador e sustentável de bandeja para refeições a bordo que inclui embalagens comestíveis. O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação.

“A cada ano, cerca de 5,7 milhões de toneladas de resíduos de cabine são gerados em voos de passageiros, variando de plástico de uso único a kits de amenidades, fones de ouvido e resíduos de alimentos”, diz PriestmanGoode. “Mas a natureza está exigindo que mudemos nosso comportamento.”

Ao repensar a bandeja de refeição, a PriestmanGoode queria criar um novo conceito que reduziria o peso, o uso de plásticos descartáveis ​​e outros resíduos envolvidos com o serviço de refeições a bordo. Ao fazer isso, o estúdio explorou uma variedade de materiais seguros para alimentos, de xícaras feitas de borra de café a algas, bambu e casca de arroz. No projeto final, a equipe adotou materiais comestíveis, biodegradáveis ​​e comercialmente compostáveis, como saladas acompanhadas com folha de bananeira ou tampa de algas.

O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação

O conceito final de bandeja durante o voo inclui uma bandeja reutilizável feita de pó de café e cascas misturadas com ligante de lignina pratos de base reutilizáveis ​​feitos de farelo de trigo tampa do prato feito de algas ou tampa de sobremesa comestível de folha de banana feita de wafer reutilizável spork feito de madeira de coco pequeno cápsulas usadas para molhos ou leite feitos de alga solúvel em copo reutilizável com um exterior feito de casca de arroz, aglutinante de PLA e forro de algas e uma tampa de refeição principal quente feita de bambu.

“Embora atualmente não haja uma solução perfeita, esta proposta de design visa encorajar fornecedores e companhias aéreas a repensar o serviço de refeições de uma maneira mais ecologicamente correta, especialmente à frente da legislação que proíbe o plástico de uso único, o que em alguns países é proposto como no início de 2021 ”, disse Jo Rowan, diretora de estratégia associada da PriestmanGoode.

A equipa de design também surgiu com uma nova solução de garrafa de água de viagem, feita de bio-plástico biodegradável e comercialmente compostável e cortiça. A garrafa de água pode ser reutilizada por um período de curto prazo, idealmente durante as férias, e foi projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico descartável vendida em aeroportos. O formato da garrafa também é mais eficiente para viagens aéreas, cabendo perfeitamente no bolso do encosto de uma aeronave.

A garrafa de água é projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico de uso único vendida em aeroportos

“A ideia seria revisitar também a disponibilização de postos de recarga em infraestrutura, para que você pudesse esvaziar sua garrafa de água antes do segurança nos aeroportos e reabastecê-la logo após, bem como no pré-embarque”, diz PriestmanGoode. “Um carrinho com refrigerador de água ficaria a bordo da aeronave, permitindo aos passageiros reabastecer durante o voo. Um sistema de refrigerador de água também pode ser instalado nas áreas da cozinha do avião, agindo como um incentivo adicional para os passageiros se levantarem durante voos de longo curso e aumentar o fluxo sanguíneo - um aspecto importante para a saúde em viagens de longo curso. ”

O elemento final do projeto "Get Onbaord" visa trabalhar com fabricantes e fornecedores para adotar novos materiais sustentáveis, que incorporem um design circular ou desperdício zero. Esses materiais incluem: ECONYL, um fio de náilon regenerado feito de redes de pesca, fios de algas marinhas, madeira de abacaxi e vidro reciclado Tasman.

“Design significa usar pensamento criativo e resolução de problemas para ver como podemos melhorar as coisas, como minimizar recursos e desperdícios e como podemos incentivar a mudança no comportamento do consumidor”, diz Rowan. “Queremos aumentar a conscientização sobre quanto lixo é gerado quando viajamos e explorar alternativas que abordem o fornecimento de produtos e serviços, mas também o que cada indivíduo pode fazer para nos levar a uma indústria de viagens mais sustentável.”

O projeto "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" está atualmente em exibição no Design Museum de Londres até 9 de fevereiro de 2020.


Bandeja de refeição a bordo reinventada com embalagem ecológica e comestível

O estúdio de design PriestmanGoode revelou recentemente um conceito inovador e sustentável de bandeja para refeições a bordo que inclui embalagens comestíveis. O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação.

“A cada ano, cerca de 5,7 milhões de toneladas de resíduos de cabine são gerados em voos de passageiros, variando de plástico de uso único a kits de amenidades, fones de ouvido e resíduos de alimentos”, diz PriestmanGoode. “Mas a natureza está exigindo que mudemos nosso comportamento.”

Ao repensar a bandeja de refeição, PriestmanGoode queria criar um novo conceito que reduziria o peso, o uso de plásticos descartáveis ​​e outros resíduos envolvidos com o serviço de refeição a bordo. Ao fazer isso, o estúdio explorou uma variedade de materiais seguros para alimentos, de xícaras feitas de borra de café a algas, bambu e casca de arroz. No projeto final, a equipe adotou materiais comestíveis, biodegradáveis ​​e comercialmente compostáveis, como saladas acompanhadas com folha de bananeira ou tampa de algas.

O design ecologicamente correto faz parte do projeto “Get Onboard” do estúdio, que aborda o impacto dos resíduos plásticos, com foco especial na indústria de aviação

O conceito final de bandeja durante o voo inclui uma bandeja reutilizável feita de pó de café e cascas misturadas com ligante de lignina pratos de base reutilizáveis ​​feitos de farelo de trigo tampa do prato feito de algas ou tampa de sobremesa comestível de folha de banana feita de wafer reutilizável spork feito de madeira de coco pequeno cápsulas usadas para molhos ou leite feitos de alga solúvel em copo reutilizável com um exterior feito de casca de arroz, aglutinante de PLA e forro de algas e uma tampa de refeição principal quente feita de bambu.

“Embora atualmente não haja uma solução perfeita, esta proposta de design visa encorajar fornecedores e companhias aéreas a repensar o serviço de refeições de uma maneira mais ecologicamente correta, especialmente à frente da legislação que proíbe o plástico de uso único, o que em alguns países é proposto como no início de 2021 ”, disse Jo Rowan, diretora de estratégia associada da PriestmanGoode.

A equipa de design também surgiu com uma nova solução de garrafa de água de viagem, feita de bio-plástico biodegradável e comercialmente compostável e cortiça. A garrafa de água pode ser reutilizada por um período de curto prazo, idealmente durante as férias, e foi projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico descartável vendida em aeroportos. O formato da garrafa também é mais eficiente para viagens aéreas, cabendo perfeitamente no bolso do encosto de uma aeronave.

A garrafa de água é projetada para fornecer uma alternativa à água engarrafada de plástico de uso único vendida em aeroportos

“A ideia seria revisitar também a disponibilização de postos de recarga em infraestrutura, para que você pudesse esvaziar sua garrafa de água antes do segurança nos aeroportos e reabastecê-la logo após, bem como no pré-embarque”, diz PriestmanGoode. “Um carrinho com refrigerador de água ficaria a bordo da aeronave, permitindo aos passageiros reabastecer durante o voo. Um sistema de refrigerador de água também pode ser instalado nas áreas da cozinha do avião, agindo como um incentivo adicional para os passageiros se levantarem durante voos de longo curso e aumentar o fluxo sanguíneo - um aspecto importante para a saúde em viagens de longo curso. ”

O elemento final do projeto "Get Onbaord" visa trabalhar com fabricantes e fornecedores para adotar novos materiais sustentáveis, que incorporem um design circular ou desperdício zero. Esses materiais incluem: ECONYL, um fio de náilon regenerado feito de redes de pesca, fios de algas marinhas, madeira de abacaxi e vidro reciclado Tasman.

“Design significa usar pensamento criativo e resolução de problemas para ver como podemos melhorar as coisas, como minimizar recursos e desperdícios e como podemos incentivar a mudança no comportamento do consumidor”, diz Rowan. “Queremos aumentar a conscientização sobre quanto lixo é gerado quando viajamos e explorar alternativas que abordem o fornecimento de produtos e serviços, mas também o que cada indivíduo pode fazer para nos levar a uma indústria de viagens mais sustentável.”

O projeto "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" está atualmente em exibição no Design Museum de Londres até 9 de fevereiro de 2020.


Bandeja de refeição a bordo reinventada com embalagem ecológica e comestível

O estúdio de design PriestmanGoode revelou recentemente um conceito inovador e sustentável de bandeja para refeições a bordo que inclui embalagens comestíveis. The eco-friendly design is part of the studio's "Get Onboard" project, which addresses the impact of plastic waste, with a special focus on the aviation industry.

“Each year, an estimated 5.7 million tonnes of cabin waste is generated on passenger flights, ranging from single-use plastic to amenity kits, earphones and food waste,” says PriestmanGoode. “But nature is demanding that we change our behavior.”

By re-thinking the meal tray, PriestmanGoode wanted to come up with a new concept that would reduce weight, use of single-use plastics and other waste involved with the on-board meal service. In doing so, the studio explored a range of food-safe materials, from cups made from coffee grounds, to algae, bamboo and rice husk. The final design saw the team adopt edible, biodegradable and commercially compostable materials, such as side salads served with a banana leaf or algae lid.

The eco-friendly design is part of the studio's "Get Onboard" project, which addresses the impact of plastic waste, with a special focus on the aviation industry

The final in-flight tray concept includes a reusable tray made from coffee ground and husks mixed with lignin binder reusable base dishes made from wheat bran side dish lid made from algae or banana leaf edible dessert lid made from wafer reusable spork made from coconut wood small capsules used for sauces or milk made from soluble seaweed reusable cup with an exterior made from rice husk, PLA binder and algae lining and a hot main meal lid made from bamboo.

“While there is currently no perfect solution, this design proposal aims to encourage suppliers and airlines to rethink the meal service in a more eco-friendly manner, particularly ahead of legislation to ban single-use plastic, which in some countries is proposed for as early as 2021,” says Jo Rowan, Associate Strategy Director at PriestmanGoode.

The design team also came up with a new travel water bottle solution, made from biodegradable and commercially compostable bio-plastic and cork. The water bottle can be reused for a short-term period, ideally for the duration of a holiday, and is designed to provide an alternative to single-use plastic bottled water sold in airports. The shape of the bottle is also more efficient for air travel, fitting perfectly in the pocket of an aircraft seat back.

The water bottle is designed to provide an alternative to single-use plastic bottled water sold in airports

“The idea would be to also revisit the provision of refill stations in infrastructure, so that you would be able to empty your water bottle before security at airports, and refill it directly after, as well as pre-boarding,” says PriestmanGoode. “A water cooler cart would feature on-board the aircraft, allowing passengers to refill during the flight. A water cooler system could also be installed in the galley areas of the airplane, acting as an additional incentive for passengers to get up during long haul flights and increase blood flow – an important health aspect of long haul travel.”

The final element of the "Get Onbaord" project looks at working with manufacturers and suppliers to adopt new sustainable materials, which incorporate a circular design or zero waste. Such materials include: ECONYL, a regenerated nylon yarn made from salvaged fishing nets seaweed yarn pineapple wood and Tasman recycled glass.

“Design is about using creative thinking and problem solving to look at how we can make things better, how to minimize resources and waste, and how we can encourage change in consumer behavior,” says Rowan. “We want to raise awareness of how much waste is created when we travel, and explore alternatives that address the supply of products and services, but also what each individual can do to lead us to a more sustainable travel industry.”

The "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" project is currently on exhibition at the Design Museum in London until 9 February 2020.


In-flight meal tray reinvented with eco-friendly and edible packaging

Design studio PriestmanGoode recently revealed an innovative and sustainable in-flight meal tray concept that includes edible packaging. The eco-friendly design is part of the studio's "Get Onboard" project, which addresses the impact of plastic waste, with a special focus on the aviation industry.

“Each year, an estimated 5.7 million tonnes of cabin waste is generated on passenger flights, ranging from single-use plastic to amenity kits, earphones and food waste,” says PriestmanGoode. “But nature is demanding that we change our behavior.”

By re-thinking the meal tray, PriestmanGoode wanted to come up with a new concept that would reduce weight, use of single-use plastics and other waste involved with the on-board meal service. In doing so, the studio explored a range of food-safe materials, from cups made from coffee grounds, to algae, bamboo and rice husk. The final design saw the team adopt edible, biodegradable and commercially compostable materials, such as side salads served with a banana leaf or algae lid.

The eco-friendly design is part of the studio's "Get Onboard" project, which addresses the impact of plastic waste, with a special focus on the aviation industry

The final in-flight tray concept includes a reusable tray made from coffee ground and husks mixed with lignin binder reusable base dishes made from wheat bran side dish lid made from algae or banana leaf edible dessert lid made from wafer reusable spork made from coconut wood small capsules used for sauces or milk made from soluble seaweed reusable cup with an exterior made from rice husk, PLA binder and algae lining and a hot main meal lid made from bamboo.

“While there is currently no perfect solution, this design proposal aims to encourage suppliers and airlines to rethink the meal service in a more eco-friendly manner, particularly ahead of legislation to ban single-use plastic, which in some countries is proposed for as early as 2021,” says Jo Rowan, Associate Strategy Director at PriestmanGoode.

The design team also came up with a new travel water bottle solution, made from biodegradable and commercially compostable bio-plastic and cork. The water bottle can be reused for a short-term period, ideally for the duration of a holiday, and is designed to provide an alternative to single-use plastic bottled water sold in airports. The shape of the bottle is also more efficient for air travel, fitting perfectly in the pocket of an aircraft seat back.

The water bottle is designed to provide an alternative to single-use plastic bottled water sold in airports

“The idea would be to also revisit the provision of refill stations in infrastructure, so that you would be able to empty your water bottle before security at airports, and refill it directly after, as well as pre-boarding,” says PriestmanGoode. “A water cooler cart would feature on-board the aircraft, allowing passengers to refill during the flight. A water cooler system could also be installed in the galley areas of the airplane, acting as an additional incentive for passengers to get up during long haul flights and increase blood flow – an important health aspect of long haul travel.”

The final element of the "Get Onbaord" project looks at working with manufacturers and suppliers to adopt new sustainable materials, which incorporate a circular design or zero waste. Such materials include: ECONYL, a regenerated nylon yarn made from salvaged fishing nets seaweed yarn pineapple wood and Tasman recycled glass.

“Design is about using creative thinking and problem solving to look at how we can make things better, how to minimize resources and waste, and how we can encourage change in consumer behavior,” says Rowan. “We want to raise awareness of how much waste is created when we travel, and explore alternatives that address the supply of products and services, but also what each individual can do to lead us to a more sustainable travel industry.”

The "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" project is currently on exhibition at the Design Museum in London until 9 February 2020.


In-flight meal tray reinvented with eco-friendly and edible packaging

Design studio PriestmanGoode recently revealed an innovative and sustainable in-flight meal tray concept that includes edible packaging. The eco-friendly design is part of the studio's "Get Onboard" project, which addresses the impact of plastic waste, with a special focus on the aviation industry.

“Each year, an estimated 5.7 million tonnes of cabin waste is generated on passenger flights, ranging from single-use plastic to amenity kits, earphones and food waste,” says PriestmanGoode. “But nature is demanding that we change our behavior.”

By re-thinking the meal tray, PriestmanGoode wanted to come up with a new concept that would reduce weight, use of single-use plastics and other waste involved with the on-board meal service. In doing so, the studio explored a range of food-safe materials, from cups made from coffee grounds, to algae, bamboo and rice husk. The final design saw the team adopt edible, biodegradable and commercially compostable materials, such as side salads served with a banana leaf or algae lid.

The eco-friendly design is part of the studio's "Get Onboard" project, which addresses the impact of plastic waste, with a special focus on the aviation industry

The final in-flight tray concept includes a reusable tray made from coffee ground and husks mixed with lignin binder reusable base dishes made from wheat bran side dish lid made from algae or banana leaf edible dessert lid made from wafer reusable spork made from coconut wood small capsules used for sauces or milk made from soluble seaweed reusable cup with an exterior made from rice husk, PLA binder and algae lining and a hot main meal lid made from bamboo.

“While there is currently no perfect solution, this design proposal aims to encourage suppliers and airlines to rethink the meal service in a more eco-friendly manner, particularly ahead of legislation to ban single-use plastic, which in some countries is proposed for as early as 2021,” says Jo Rowan, Associate Strategy Director at PriestmanGoode.

The design team also came up with a new travel water bottle solution, made from biodegradable and commercially compostable bio-plastic and cork. The water bottle can be reused for a short-term period, ideally for the duration of a holiday, and is designed to provide an alternative to single-use plastic bottled water sold in airports. The shape of the bottle is also more efficient for air travel, fitting perfectly in the pocket of an aircraft seat back.

The water bottle is designed to provide an alternative to single-use plastic bottled water sold in airports

“The idea would be to also revisit the provision of refill stations in infrastructure, so that you would be able to empty your water bottle before security at airports, and refill it directly after, as well as pre-boarding,” says PriestmanGoode. “A water cooler cart would feature on-board the aircraft, allowing passengers to refill during the flight. A water cooler system could also be installed in the galley areas of the airplane, acting as an additional incentive for passengers to get up during long haul flights and increase blood flow – an important health aspect of long haul travel.”

The final element of the "Get Onbaord" project looks at working with manufacturers and suppliers to adopt new sustainable materials, which incorporate a circular design or zero waste. Such materials include: ECONYL, a regenerated nylon yarn made from salvaged fishing nets seaweed yarn pineapple wood and Tasman recycled glass.

“Design is about using creative thinking and problem solving to look at how we can make things better, how to minimize resources and waste, and how we can encourage change in consumer behavior,” says Rowan. “We want to raise awareness of how much waste is created when we travel, and explore alternatives that address the supply of products and services, but also what each individual can do to lead us to a more sustainable travel industry.”

The "Get Onboard: Reduce. Reuse. Rethink" project is currently on exhibition at the Design Museum in London until 9 February 2020.