Receitas tradicionais

Rolo de Lagosta do Dr. Klaw

Rolo de Lagosta do Dr. Klaw

Em uma panela grande de mariscos ou lagosta, adicione 5 centímetros de água. Adicione as metades da cebola com os lados cortados para baixo e adicione o sal marinho grosso, o alho, o louro e a pimenta-do-reino. Leve para ferver em fogo alto.

Coloque as lagostas de cabeça para cima, as 2 primeiras colocadas nas metades da cebola, e empilhe as outras 2 lagostas, certificando-se de que todas as lagostas fiquem uniformemente espaçadas. Cubra e cozinhe em fogo médio-alto até ficar totalmente vermelho, cerca de 6 minutos. Eles serão um pouco mal cozidos por um motivo!

Transfira as lagostas para uma assadeira grande com bordas e deixe esfriar. Trabalhe sobre a folha para coletar todos os sucos e gordura da lagosta. Torça as caudas e as garras dos corpos. Retire as pontas da cauda ou nadadeiras das cascas da cauda e empurre a carne da cauda para fora das cascas com o polegar. Corte o topo da cauda e descarte a veia escura. Torça os nós dos dedos com as garras. Cubra as garras com um pano de prato e com um martelo ou com as costas de uma faca grande, quebre delicadamente as garras dos dois lados para soltar as cascas da carne. Quebre a casca das garras e puxe as garras, de preferência cada uma em uma única peça. Quebre os nós dos dedos e empurre a carne para fora.

Corte as caudas no centro e dê a toda a carne da lagosta apenas algumas costeletas; a carne deve estar em pedaços agradáveis. Você deve ter cerca de 5 xícaras de carne. Coloque a carne e todo o suco coletado em uma frigideira grande e reserve.

Agora aqueça uma frigideira. Enquanto isso, em uma panela pequena, derreta a manteiga com o alho em pó e mexa. Abra os pãezinhos de cachorro-quente e pincele apenas o interior com um pouco da manteiga de alho. Torre os pães na chapa quente em fogo médio-alto até dourar e ficar crocante, cerca de 2 minutos de cada lado. Reduza o fogo para médio se a chapa ficar muito quente.

Reaqueça delicadamente a carne da lagosta em fogo baixo até ficar bem quente. Retire a frigideira do fogo, junte a maionese e tempere com sal marinho fino. Coloque a carne de lagosta nos pães torrados e regue cada um com um pouco mais de manteiga de alho. Polvilhe com o tempero Old Bay e sirva imediatamente. Você deve ter um bom molho rosa-laranja se desenvolvendo ao redor da carne, como resultado do cozimento um pouco do suco de maionese e lagosta.


6 receitas incríveis de rolinhos de frutos do mar

Foi só na semana passada que declaramos nosso amor por rolos de lagosta. A bondade decadente de um pão de brioche recheado com lagosta fresca e deliciosa é simplesmente bom demais para resistir no verão! No entanto, para aqueles que desejam mudar as coisas, sugerimos também pãezinhos de frutos do mar com recheios diferentes. Chef Ben Sargent do Cooking Channel & # 8217s Hook, Line & amp Dinner e o primeiro show live-action do Periscope A caça ao Dr. Klaw (agora no Kickstarter), criou seis receitas incríveis de rolos de frutos do mar (5 das quais são não-lagostas).

Ben tem tudo a ver com simplicidade em sua culinária. A estrela de todas essas receitas são os frutos do mar, por isso, ao fazer as receitas abaixo, compre o melhor e mais fresco peixe possível e sirva de uma forma que realce o seu sabor e nunca o disfarce.

De novo, tão simples, tão delicioso.

4 arenque salgado holandês, limpo e sem cabeça (arenque em conserva também funciona)

12 picles de cornichon picado

1 cebola branca, picada grosseiramente

Os tradicionalistas comem tudo: basta dividir e torrar levemente os pãezinhos, colocar um arenque dentro de cada um e polvilhar com cebolas e picles. Excelente servido com um acompanhamento de batatinhas cozidas com um toque de vinagre de vinho tinto ou um prato grande de batatas fritas e maionese, ao estilo holandês.

Para alguma variedade quase tradicional, tente substituir a cobertura de cebola crua por bacon em fatias finas e cebolas fritas juntas. Ou adicione o seguinte molho de creme azedo simples:

Molho de creme azedo opcional:

Pimenta moída na hora a gosto

Em uma tigela rasa, misture os ingredientes. Espalhe generosamente de um lado dos pãezinhos antes de adicionar outros ingredientes.

½ pimenta habanero, semeada e picada

Em uma tigela pequena, misture a maionese, o endro, o suco de limão e o habanero para fazer o molho remoulade. Mantenha-o na geladeira até que você esteja pronto para usá-lo.

24 ostras com casca de tamanho médio

2 ovos grandes, batidos com 1 colher de sopa de água e 2 colheres de sopa de molho de pimenta quente

Pimenta do reino moída na hora

Em uma panela grande, aqueça 5 cm de óleo vegetal a 370 F. Faça uma assadeira grande com algumas camadas de toalhas de papel cobrindo metade da assadeira perto do fogão. Coloque os ovos com água em uma tigela rasa. Coloque o fubá em outra tigela rasa e tempere com sal e pimenta. Mergulhe bem as ostras na mistura de ovos e levante para permitir que o excesso escorra. Passe as ostras no fubá até ficarem bem revestidas e acrescente ao óleo quente. Frite as ostras, virando uma vez, até ficarem douradas e crocantes, cerca de 1 minuto. Com uma escumadeira, escorra rapidamente as ostras nas toalhas de papel e coloque-as sobre o lado nu (isso vai mantê-las crocantes). Repita com o resto das ostras.

4 pãezinhos franceses macios
3 colheres de sopa de manteiga
1 1/2 xícaras de folha de alface picada
2 xícaras de tomate cereja cortado ao meio
1/2 xícara de picles de endro fatiados

Pré-aqueça o forno para grelhar baixo. Divida os pãezinhos, unte-os generosamente com manteiga e coloque-os em uma assadeira. Grelhe até dourar, 2 a 3 minutos, e retire.
Espalhe o molho remoulade em ambos os lados de todos os rolos. Coloque seis ostras em cada pão, espalhando a alface, o tomate cereja e os picles fatiados. Sirva em barquinhos de papel no cais ao lado do seu barco de pesca!

3-4 filés médios de bagre

1 colher de chá de óleo vegetal para a panela

Pré-aqueça o forno a 400 graus F. Unte levemente com óleo um vidro ou assadeira revestida. Em uma tigela, misture o molho de soja, óleo de gergelim, gengibre, coentro picado, suco de limão e pimenta em pó. Coloque os filés de bagre no prato e despeje o molho por cima por cima. Cubra e deixe descansar na geladeira para marinar por 30-45 minutos.
Quando estiver pronto, coloque o prato no forno e leve ao forno apenas até o peixe lascar com um garfo, cerca de 20 minutos, mas comece a verificar por volta dos 15. Quando terminar, deixe esfriar e termine de preparar o restante dos ingredientes!

3 cenouras médias, juliana

1 rabanete médio (ou substitua um pepino), juliana

1 pimenta, cortada em rodelas

Faça esses picles pelo menos três horas antes de comer (de preferência na noite anterior). Em uma tigela de fundo largo, polvilhe os vegetais com o sal, deixe descansar por 30 minutos e escorra o excesso de líquido. Combine o vinagre e o açúcar e mexa até que o açúcar se dissolva. Agora despeje a mistura sobre os vegetais, tampe e leve à geladeira.

1 xícara de folhas de coentro separadas de talos

2 colheres de sopa de molho Sriracha

Em uma tigela pequena misture a maionese e Sriracha. Fatie a baguete no sentido do comprimento e cubra um lado com a mistura de maionese. Coloque os filés de bagre no pão. Escorra a mistura de picles e coloque uniformemente sobre o peixe-gato. Distribua as folhas de coentro generosamente por cima e esprema os gomos de limão por cima. Fatie em 4 seções e sirva com enfeite de coentro e uma seção de limão.

Para o dia chuvoso de verão, esta receita vai fazer você feliz em ficar em casa. Pode ser feito com qualquer peixe pequeno (como cheiros ou anchovas), mas Klaw e Ben gostam de sardinhas frescas.

4 sardinhas grandes, cerca de 3 onças cada

2/1/2 colheres de sopa de azeite

1 cebola média, fatiada com ¼ de polegada de espessura

Sal e pimenta moída na hora

½ libra de abóbora (grande ou pequena, sua escolha), cortada em fatias de ¼ polegada, longitudinalmente

1 xícara de manjericão fresco picado

1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto

½ colher de sopa de maionese e mais para espalhar

20 tomates cereja, divididos pela metade

4 fatias de pão toscano (1/3 polegada de espessura), com cerca de 9 polegadas de largura

Corte as cabeças das sardinhas. Pegue uma faca fina e afiada e corte ambos os lados das costelas da sardinha, cortando-as da espinha sem cavar muito fundo na carne. Corte um dos lados dos espinhos restantes até a cauda. Bata a faca na espinha logo antes da cauda e arranque a espinha, deixando a cauda intacta. Passe os dedos pela espinha da cauda até a ponta da cabeça para soltar a carne do osso. Começando pela cauda, ​​puxe a espinha das sardinhas enquanto pressiona a carne para mantê-la intacta e, em seguida, descarte os espinhos. Segure a faca no topo de uma das costelas laterais e deslize a faca logo abaixo das costelas, cortando-as para baixo e deixando o máximo de carne possível nas sardinhas. Coloque o peixe na geladeira.

Em uma frigideira grande, aqueça 1 colher de sopa de azeite. Adicione a cebola, tempere com sal e pimenta, tampe e cozinhe em fogo médio, mexendo algumas vezes, até dourar e macia, cerca de 7 minutos. Transfira a cebola para uma tigela média. Adicione a 1½ colher de sopa de óleo restante na frigideira e, quando estiver bem quente, adicione a abóbora e vire para cobrir os dois lados com óleo. Tempere com sal e pimenta e metade do manjericão picado. Cozinhe em fogo médio-baixo até ficar translúcido, cerca de 2 minutos de cada lado. Transfira a abóbora para a tigela de cebola. Reserve a frigideira.

Em uma tigela pequena, misture a maionese, 1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto e o manjericão fresco restante. Tempere as sardinhas com sal e pimenta e espalhe a mistura de maionese dos dois lados. Coloque as migalhas de panko em uma tigela pequena e, enquanto segura as sardinhas pelo rabo, espalhe as migalhas sobre as sardinhas. Aqueça óleo vegetal de 1/8 de polegada na frigideira reservada e quando estiver brilhando, adicione as sardinhas, com o lado desossado para baixo. Cozinhe em fogo médio-alto até dourar e ficar crocante, cerca de 2 minutos. Vire as sardinhas e cozinhe em fogo médio até dourar e crocante, cerca de 1 minuto a mais. Escorra em papel absorvente.

Despeje a maior parte do óleo, deixando apenas uma camada brilhante. Adicione ½ dos tomates e cozinhe, mexendo algumas vezes, até os tomates soltarem um pouco de suco. Coloque 4 fatias de pão na frigideira em fogo médio. Coloque a cebola frita em cada fatia, depois coloque por cima uma sardinha frita, com o rabo saindo da ponta arredondada do pão. Em seguida, coloque 2 fatias de abóbora em cada uma. Feche os sanduíches e cozinhe em fogo médio até ficarem torrados, cerca de 1-2 minutos de cada lado. Levante uma das fatias de pão, espalhe um pouco de maionese, feche os sanduíches e sirva com o tomate cereja torrado e fresco.

Esta receita é adaptada do livro A pegada , de Ben Sargent, com Peter Kaminsky, Clarkson Potter Publishers.

3 colheres de sopa de sal grosso

1 colher de sopa de pimenta-do-reino moída grosseiramente

1 colher de chá de tempero de sua escolha - Old Bay é bom, mas não tenha medo de ser criativo aqui.

1/2 cebola amarela, picada grosseiramente

4 lagostas (1 a 1 1/2 libras cada)

1 barra inteira de manteiga com sal (sim!)

Um toque de vinho branco barato

4 pães de carregamento superior (Klaw e eu gostamos de pãezinhos de cachorro-quente clássicos da Pepperidge Farm)

Dr. Klaw diz: Certifique-se de usar pães de carregamento superior (ou seja, não cortados totalmente), não rolos de corte no estilo da Nova Inglaterra.

Encha uma panela com 2,5 a 5 centímetros de água e leve ao fogo médio-alto. Adicione o sal marinho, pimenta, tempero de frutos do mar e cebola. Assim que a água ferver, acrescente as lagostas. Tampe a panela e cozinhe as lagostas no vapor por 8 a 10 minutos. Quando estiverem vermelhas e prontas, retire as lagostas e coloque-as em uma torneira fria por alguns segundos para resfriá-las.

Remova cuidadosamente a carne da casca - certifique-se de guardar os sucos! - e corte grosseiramente em pedaços grandes (se você estiver fazendo direito, a carne de 1 lagosta é boa para 1 rolo). Misture os sucos da lagosta com a maionese até obter uma consistência úmida e fina e, em seguida, misture levemente a carne da lagosta na mistura.

Em uma pequena panela em fogo médio, derreta a manteiga junto com o alho e aquele respingo de vinho branco barato.

Aqueça uma grelha ou frigideira grande e plana em fogo médio. Abra os pãezinhos (tomando cuidado para não separar as metades), pincele a mistura de manteiga por dentro e tosta, com o lado amanteigado para baixo, até dourar, cerca de 1 minuto.

Coloque a carne da lagosta sobre um papel alumínio e aqueça levemente na grelha enquanto os pães estão torrando.

Divida uniformemente a carne da lagosta entre os rolinhos, pincele a carne com um pouco da mistura de manteiga e sirva em um barquinho de papel, enfiado em um saquinho de papel pardo em um beco escuro.

Veja também esta lista de melhores rolos de lagosta em Nova York, e clique aqui para nossos pratos favoritos de frutos do mar em Nova York.


ASSINE A NOSSA NEWSLETTER


Lembro-me de quando o único lugar onde se podia comer um rolo de lagosta decente em Nova York era em um punhado de restaurantes sofisticados de frutos do mar no West Village, todos cobrando pelo menos US $ 30 por uma bagunça cheia de maionese gloppy. Então veio o Luke & # 8217s Lobster com seu excelente rolo de lagosta de US $ 15, seguido pelo Red Hook Lobster Pound e o infame Dr. Klaw.




O Lobster Joint, localizado no antigo espaço Lamb & # 038 Jaffy em Greenpoint, é a última entrada na guerra do rolo de lagosta. Embora possa não ter o melhor rolo de lagosta da cidade de Nova York, ainda é muito bom e custa US $ 17 (e isso inclui um picles e um monte gigante de batatas fritas crocantes). A cozinha segue a popular abordagem menos é mais, garantindo que cada pedaço grosso de lagosta seja coberto apenas levemente com ervas frescas de maionese. Claro, a carne da lagosta não é tão suculenta ou doce quanto você poderia conseguir no Maine (ou mesmo no Luke & # 8217s), mas é difícil reclamar quando ela está em um pão tão macio e amanteigado como este.


Melhor ainda é o crab roll, que empilha o caranguejo azul e peekytoe desfiado no mesmo pão torrado, desta vez coberto com um molho tártaro agradavelmente picante. Por US $ 14, é definitivamente uma das melhores ofertas do menu. O ensopado de mariscos sai um pouco fino e achatado, é difícil não engolir com avidez porque o ensopado, como macarrão com queijo, é viciante mesmo quando não está no seu melhor.


O que este pequeno restaurante de lagosta tem que a maioria das barracas de frutos do mar não tem é um menu de coquetéis bem considerado. As bebidas aqui são sérias o suficiente para usar licores artesanais, mas divertidas o suficiente para vir em jarras, disponíveis em variedades alcoólicas como limonada feita com Vodka artesanal Tito & # 8217s, dark e stormies e chá doce enriquecido com uísque.


Há cerveja também, quatro cervejas artesanais de verão na torneira de cervejarias americanas, como Smuttynose e Allagash, além de latas de Naragansett Lager e Harpoon IPA. Garrafas baratas de rosa e cava são um ótimo acompanhamento para um par de rolinhos de lagosta, que é melhor consumido com lazer perto das janelas abertas com vista para a Manhattan Avenue.


Todo o restaurante faz o possível para reproduzir a sensação de uma cabana à beira-mar. Peça no balcão, pegue um número e depois escolha um assento em uma das grandes mesas comunitárias. A pintura em azul e branco e alguns acessórios náuticos bem colocados completam o visual. Restaurantes casuais e despretensiosos de frutos do mar: Nova York poderia usar um pouco mais desses.


Com uma megaclama e uma panela gigantesca, você pode cozinhar um oceano de frutos do mar em uma fração do tempo que levaria no fogão - sem pisar em uma cozinha fumegante.

Você não precisa decorar este prato com caviar e flores de cebolinha. Mas, se você fizer isso, torne seu Instagram o inferno fora disso.

Desde 1995, o Epicurious tem sido o recurso alimentar definitivo para o cozinheiro doméstico, com dicas de cozinha diárias, vídeos de culinária divertidos e, claro, mais de 33.000 receitas.

© 2021 Condé Nast. Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nosso Acordo de Usuário e Política de Privacidade e Declaração de Cookies e Seus Direitos de Privacidade na Califórnia. Epicurioso pode ganhar uma parte das vendas de produtos que são comprados por meio de nosso site como parte de nossas parcerias afiliadas com varejistas. O material neste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido, armazenado em cache ou usado de outra forma, exceto com a permissão prévia por escrito da Condé Nast. Ad Choices


Seafood Shack do Temple Bar: Klaw

Minha amiga Sra. L é uma francesa da Normandia, o que significa que frutos do mar são um negócio sério para ela. Como ambos os nossos respectivos parceiros são intolerantes a frutos do mar, decidimos ter algumas datas de frutos do mar nos próximos meses e escolhemos Klaw como nosso primeiro lugar para experimentar.

Klaw é o novo empreendimento de Niall Sabongi da Rock Lobster, que foi inaugurado há algumas semanas no coração de Temple Bar. É um lugar minúsculo que só pode sentar algumas pessoas, como uma casinha de frutos do mar que desembarcava na parte mais turística da cidade. Existem algumas mesas e bancos onde se pode sentar junto à parede, é muito estreito e compacto, mas de uma forma bonita.

Nós visitamos em um dia de semana, então não estava muito ocupado, mas estava muito barulhento do lado de fora, com pessoas torcendo e assistindo a um jogo do outro lado da estrada, enquanto artistas de rua também tocavam música alta em Temple Bar Square. Felizmente, tendo vivido por mais de três anos na East Essex Street em frente ao pub Temple Bar, sou meio imune à loucura de Temple Bar e conseguia me concentrar na comida e na empresa, então isso também não me incomodou Muito de.

O menu é escrito em um quadro negro gigante e, claro, tudo sobre frutos do mar. Ostras em 3 variedades (Achill, Waterford e Galway Bay) podem ser comidas nuas (com limão ou tabasco), temperadas ou queimadas. Você pode obter camarões do Atlântico, caranguejo servido de diferentes maneiras, sopa de frutos do mar, salmão defumado, um prato de frutos do mar (& # 836438) e, claro, lagosta, bem como algumas opções de sobremesa.

Nós dois escolhemos ostras para começar, a Sra. L pegou uma de cada variedade e preferiu-as apenas com um pouco de suco de limão (& # 83642 cada). Ela está acostumada a comer ostras cruas e elas caíram uma delícia. Sempre tive minhas ostras quentes e com cobertura como sabayon de champanhe ou até mesmo com camembert no topo, então comer ostras cruas foi uma novidade para mim. Optei por duas ostras Achill, uma com molho 'bloody mary' e a outra com molho nam jim (& # 83642.50 cada).

O Bloody Mary tinha um pouco de cobertura demais para mim, muito tomate o que tornava um pouco difícil de comer e não lembrava muito um Bloody Mary. No entanto, o temperado com molho nam jim era picante e fresco com pepino e muito coentro que complementava o salgado das ostras.

Agora, tendo experimentado e absolutamente amado o rolo de lagosta no Taste of Dublin nos últimos anos, eu só tinha que comprá-lo em Klaw. Para ser honesto, o preço dói um pouco. & # 836414 é muito para um rolo pequeno. Eu tinha duas vozes na minha cabeça, uma dizendo que é muito caro e a outra me dizendo que valeria a pena, afinal é lagosta. A Sra. L e eu concordamos e ficamos muito satisfeitas.

O pãozinho é um delicioso bolo de brioche frito na manteiga e escorrendo com lagosta temperado com uma maionese de yuzu servido com um grande pedaço de pepino. É super saboroso e, mesmo que pareça pequeno, é rico o suficiente para que você sinta que já teve o suficiente.

Nós engolimos nossa ração com um copo de Picpoul (& # 83647) e eu terminei a refeição com um creme brûlée bastante bêbado e delicioso, que foi brûlée na minha frente por um jovem rapaz com uma enorme tocha, que ele parecia animado para usar. Ele confessou que era sua ferramenta favorita na cozinha.

Os funcionários foram simpáticos, gostei do entusiasmo deles e dá para perceber que gostaram de trabalhar lá e de conversar com os clientes. Quando a conta veio, inicialmente pensei 'isso é barato', mas depois percebi que eles se esqueceram de incluir os rolos de lagosta e acho que o cara ficou um pouco surpreso com a minha honestidade quando indiquei e pedi a conta correta. Eles tiveram sorte de não sermos turistas desonestos de passagem por Temple Bar! Então, sim, não era barato afinal, mas nós realmente gostamos da nossa comida e da experiência. Eu adorava quando o cheiro de manteiga vinha da cozinha cada vez que um pãozinho de lagosta estava sendo preparado, me fazia querer pedir mais.

Klaw é um novo lugar divertido, perfeito para os amantes de frutos do mar que procuram algo saboroso sem muito barulho. Os moradores podem ficar desconcertados com a localização, já que Temple Bar sofre uma má reputação, mas posso dizer que vale a pena se aventurar por essa parte da cidade por seus rolos de lagosta!

Klaw
5 A Crown Alley
Dublin 2


Esta é uma revisão independente, eu paguei pela minha refeição.




'Dishonest Party Folk' Afunda celebridade do Chef Far Rockaway Airbnb Houseboat

Uma casa flutuante Far Rockaway pertencente a um apresentador de programa de culinária de TV e ocasional fornecedor de lagosta subterrânea foi afundada por convidados indisciplinados do Airbnb no fim de semana, de acordo com postagens online do foodie Ben Sargent. Sargent apresenta o Hook, Line & amp Dinner do Cooking Channel e ganhou destaque em parte por meio de seu alter ego idiota de vendedor de rolos de lagosta, Dr. Klaw, uma caricatura de traficante de drogas parecida com Ali G com um talento especial para fazer sessões de fotos com publicações de Nova York e, ao que tudo indica, fazer e vender saborosos rolos de lagosta. O Departamento de Saúde não aprovou sua operação sem licença e o fechou em 2010.

Até o fim de semana passado, Sargent também estava alugando uma casa flutuante chamada Ziggy Stardust na Marina 59 de Far Rockaway em Jamaica Bay, que já foi o lar do Boatel infundido de insetos e arte, um hotel DIY flutuante inventado por um grupo de artistas para níveis de fanfarra no mesmo nível do Dr. Klaw.

Sargent está no processo de reviver o dr. Klaw por meio de uma elaborada campanha Kickstarter buscando $ 45.000 para encenar uma "caça ao tesouro de ação ao vivo" que consiste em Sargent subindo e descendo a costa em uma motocicleta enfeitada para parecer uma lagosta, procurando "rastrear" o Dr. Klaw e organizar festas de frutos do mar somente para convidados. Sobre o afundamento do Ziggy Stardust na noite de sábado, Sargent escreveu em seu blog: "Estou muito chateado em dizer que um dos melhores esconderijos do Dr. Klaw está agora abaixo de 15 'de água devido a um grupo ruim de locatários."

Sargent acrescentou: "Não sei se o Ziggy pode ser salvo", e disse que está voltando sua atenção do projeto da lagosta para consertar o barco.

Em uma atualização do Kickstarter, ele atribuiu a destruição a "um locatário ruim e um bando de festeiros desonestos" que "a afundaram até o fundo".

Eu acho que as próximas semanas vão me afastar do Kickstarter enquanto eu descubro o que fazer. Um monte de amigos já me ajudaram e me emprestaram equipamento de mergulho e apoio, então eu pude mergulhar e fechar todas as janelas, o que é realmente o primeiro passo antes de descobrir as bombas e o sistema para fazê-la subir e sair do agua!

Tudo que peço a vocês é que mudemos um pouco as marchas. Eu sinto que todos os fãs do KLAW podem se manifestar por trás disso. Não posso prometer rolos de lagosta ainda. Mas eu prometo que podemos tirar esse maldito barco da água e será um lugar para todos vocês descansarem a cabeça!

Vou mantê-los informados à medida que o progresso continua, mas se vocês puderem espalhar isso, estou confiante de que podemos pelo menos atingir a meta aqui e aplicar esse dinheiro para consertar o Ziggy como um destino de frutos do mar em Klaw que vai explodir sua mente .

Natasha Quam passaria a noite do outro lado da marina em outra casa flutuante do Airbnb no sábado. Ela disse que não viu ou ouviu o que aconteceu, "Mas alguns caras velhos limpando peixes disseram que aconteceu por volta das 5 da manhã. [Eles disseram] que houve três estalos altos e começou a diminuir."

Quam disse que aluga uma casa-barco na marina com um amigo a cada dois fins de semana ou assim durante o verão. "Não tenho ideia de como fizeram o Ziggy afundar", disse ela. "Ele sobreviveu a Sandy!"

A lista do Airbnb para o Ziggy Stardust foi removida, mas um site que analisa os dados do serviço de aluguel por férias de curto prazo indica que ele tinha três quartos e estava alugado por $ 1.250 por noite. As fotos do interior estão aqui.

Uma descrição de Sargent exige: "Se você não está LIMPO. Super limpo e muito responsável, por favor, nem pense em ficar neste barco! ESTE NÃO É UM BARCO DE FESTA." Mais tarde, ele escreveu: "Você é um adulto e deve saber como respeitar a propriedade de outras pessoas. Não estrague isso para aquelas pessoas que nem precisam ouvir NADA disso."


(Todos os quartos)

Uma convidada chamada Annica descreveu o barco como "incrivelmente mágico" e "um lado de Nova York que eu nunca imaginei que existisse".

A Marina 59 permite pernoites, mas não a tempo inteiro a bordo, e fecha de novembro a abril. Seu último encontro amplamente divulgado com a boêmia, o Boatel, foi interrompido após o verão de 2011 em parte devido ao declínio do interesse das pessoas que o organizaram, em parte por causa dos danos causados ​​pelo furacão Sandy, e em parte porque, como gerente Rosie Stevens Como explicou em uma entrevista no verão passado, haveria "muita burocracia" para recriar o empreendimento de forma honesta. Além disso, no processo de obtenção de licenças para transformar alguns dos barcos em aluguel de longa duração, algumas das características artísticas dos barcos, incluindo banheiros de compostagem, tiveram que ser retirados.

No verão passado, os negócios na marina estavam crescendo. Há, no entanto, Stevens disse, "uma espécie de conflito entre clientes novos e antigos". Os veteranos que vêm há décadas acordam cedo e gostam de pescar, enquanto a clientela mais jovem "quer vir relaxar em seu barco e surfar". Uma rave lançada por recém-chegados nos últimos anos atraiu a polícia em terra e em helicópteros, disse ela.

Contatado por telefone na tarde de segunda-feira, o proprietário da Marina 59, Ari Zablozki, disse que a marina não permite aluguéis de curto prazo. Zablozki disse que não há segurança em tempo integral nas docas e as pessoas entram usando um código de portão, mas o contrato da marina especifica que a sublocação de curto prazo é proibida. Se a marina descobrir que um inquilino está alugando seu barco, o primeiro passo é pedir ao dono do barco que pare, disse Zablozki.

A lei de Nova York proíbe o aluguel de apartamentos inteiros por períodos inferiores a 30 dias se o residente principal não estiver em casa, mas essa lei não se aplica a casas, nem, presumimos, casas flutuantes. Assim sendo, a questão dos alugueres de curta duração na Marina 59 parece ficar totalmente entre a marina e os proprietários das embarcações.

Quanto ao naufrágio do Ziggy Stardust, Zablozki disse: "Não temos ideia. Ainda estamos trabalhando com o cliente para descobrir exatamente o que aconteceu."


Receita de molho de lagosta com manteiga de alho por Niall Sabongi de Klaw

#Patrocinadas. Quarta 6 e quinta 7 de dezembro viram o Guinness sediar os Gilroy Christmas Supper Clubs, inspirados no artista John Gilroy, que criou os amados e espirituosos anúncios sinônimos da marca Guinness.

Esta deliciosa receita de lagosta, trazida a você e patrocinada pelo Guinness, foi criada pelo superastro do marisco do famoso Klaw Niall Sabongi e foi um dos cinco pratos que foram degustados à noite, junto com o Guinness.

Descubra por que frutos do mar e cerveja favorita da Irlanda & # 8217s são combinados, preparando esta receita deliciosa em casa e acompanhando-a com uma lata de edição especial de Guinness com Gilroy & # 8217s ilustração icônica & # 8220A lagosta. & # 8221

Dois dos designs icônicos de Gilroy & # 8217s apresentam nessas latas de edição limitada do Guinness o pint sorridente e a lagosta. Auto-descrito como & # 8220 um homem bastante alegre & # 8221, Gilroy é mais conhecido pelo toque de humor que ele trouxe para cada trabalho. Quando encarregado de representar um litro de Guinness, Gilroy respondeu em seu estilo característico, inserindo um rosto sorridente na espuma.

Os colecionadores costumam se referir a este desenho encantador, que você pode ver em uma das latas de edição limitada, como o “vidro antropomórfico”. A outra edição limitada pode apresentar uma das ilustrações de lagosta de Gilroy. Desde o início dos anos 1930 & # 8217, Guinness e comida eram um tema popular de publicidade com a associação de lagosta e Guinness desde o início de 1900 & # 8217 & # 8211. O sabor torrado e levemente amargo da Guinness é considerado a combinação perfeita de frutos do mar .

As latas de sol e pint Guinness Gilroy de edição limitada estão disponíveis exclusivamente na SuperValu e Centra.

Ingredientes:

6 dentes de alho fatiados o mais finamente possível (pense em Paulie em Goodfellas)
Punhado de salsinha picada
Aperto de limão
Sal e pimenta-do-reino a gosto (seja generoso)
1/2 libra de manteiga amolecida
2 lagostas vivas com cerca de 600g cada

1. Junte o alho, a manteiga, o limão e os temperos.
2. Dê uma boa batida para liberar todo o sabor de alho e depois acrescente a salsa.
3. Em uma panela, derreta tudo, mas não deixe o alho colorir.
4. Para matar a lagosta da maneira mais humana, bata em um pano úmido e leve ao freezer por 20 min. Isso deve colocá-los em um sono profundo.
5. Enquanto isso está acontecendo, você pode colocar uma grande panela de água fortemente salgada para ferver.
6. Quando ferver, retire o pano de chá e coloque as lagostas na panela e ferva por 6 min.
7. Retire as lagostas e deixe esfriar.
8. Coloque a churrasqueira em fogo alto e deixe pré-aquecer.
9. Nesse ínterim, divida suas lagostas ao meio e dê a cada uma das garras um pequeno estalo com as costas de uma faca para tornar o acesso um pouco mais fácil para o seu convidado e, na verdade, para você.
10. Você pode comer tudo por dentro, exceto o trato digestivo que corre ao longo da espinha (linha preta na cauda) e também a caixa de areia que parece um saquinho dentro da ponta da cabeça. Se você não conseguir encontrar nenhum deles, não se preocupe com isso, pois você estará se empanturrando de lagosta amanteigada em breve, então você realmente não se importará nem um pouco com um pouco de areia.
11. Tempere a lagosta com sal grosso e pimenta branca e coloque sob a grelha por mais 3 minutos ou até que esteja totalmente cozida e quente.
12. Depois de sair, coloque as lagostas em sua travessa e regue com a manteiga derretida e sirva
Batatas fritas são ótimas com este prato para absorver os sucos e um pouco de salada verde com molho picante para cortar, embora a manteiga esteja simplesmente perfeita.


Fazendo receitas de restaurantes em Cape Cod em casa

Novos volumes exploram as especialidades da região, tanto dos restaurantes como do mar.

Do rolo de lagosta ao clambake, a comida de Cape Cod é uma das principais atrações da região. Em dois livros de receitas de verão recentes, "The Catch" e "Cape Cod Chef's Table", os profissionais mostram como fazer pratos e especialidades exclusivos do Cabo de alguns dos melhores restaurantes da região. Como se as receitas não bastassem, os dois livros de receitas são ilustrados por fotografias de dar água na boca.

"Mesa do Chef de Cape Cod: Receitas extraordinárias de Buzzards Bay a Provincetown", de John Carafoli, fotografia de Francine Zaslow

Seguindo um mapa de Cape Cod na capa do livro, o autor e estilista gastronômico profissional John Carafoli leva os leitores em um delicioso passeio pelo Cabo.

Carafoli, um antigo Cape Codder, oferece receitas de restaurantes populares em todo o Cape Cod, do The Seafood Shanty em Bournedale ao The Red Inn em Provincetown.

Os leitores podem aprender a fazer biscoitos de queijo de grãos usados ​​da Cape Cod Beer Company, sorvete de pêssego fresco do Four Seas Ice Cream, salmão com tábuas de cedro do Chatham Bars Inn e muito mais.

Cada receita é precedida por um recurso de meia página sobre o restaurante e o chef, e alguns pratos incluem uma combinação de vinhos sugerida. Espalhadas ao longo do livro estão seções especiais que destacam ainda mais a cultura do Cabo, como o Bourne Scallop Festival, os fazendeiros locais e as indústrias caseiras de Cape Cod.

Algumas receitas podem parecer um pouco complicadas, mas Carafoli recomenda usar apenas uma ou duas partes de receitas complexas. Acha que as vieiras caramelizadas da Twenty-Eight Atlantic no Wequassett Resort and Golf Club parecem deliciosas, mas assustadoras? Gosta de uma parte, mas não tem tanta certeza sobre a outra? Pegue a parte da receita do presunto crocante e polvilhe em outro prato. A mistura e a correspondência são incentivadas, diz Carafoli.

"Não se deixe intimidar por cozinhar. Apenas faça", ele aconselha. "Qual é a pior coisa que poderia acontecer?"

Nos cinco meses que Carafoli teve para produzir o livro, ele diz que seu objetivo era iluminar o ambiente comunitário do Cabo.

"Cape Cod não é uma cidade. É totalmente diferente de muitas outras partes do país. É único em sua própria maneira", diz Carafoli.

Carafoli conecta pescadores, fazendeiros e restaurantes, demonstrando de onde vem a comida e o entrelaçamento da comunidade culinária.

O livro de receitas é para todos, diz ele. É para recém-chegados do Cabo que desejam fazer suas pesquisas. É uma lembrança para os turistas que querem recriar os pratos que encomendaram. É para moradores que desejam preparar suas refeições em seus restaurantes favoritos.

There's a mix of high-end and everyday recipes, that include drinks, desserts, appetizers and entrees.

"I wanted to show what Cape Cod is really like and what the food is like."

Carafoli makes a mini clambake that serves four and can easily be made in a pot at home. He uses beer instead of water to steam and replaces the usual chicken or chorizo with a good hot dog. Carafoli writes, "You'll need a large kettle with a rack that will allow the food to sit 3 inches from the bottom of the pan. You can also use large stones from the beach. A good kettle to use is one used for preserving and canning."

4 small red bliss potatoes

4 (1 1/2-pound) lobsters (see Note 1)

4 ears corn in their husks

Steamers or littlenecks, about 1 dozen or more per person

8 hot dogs, 2 per person (see Note 2)

1 pound butter, melted, divided into 4 small bowls

Lots of cold beer to drink

Put the rack in the pan upside down. Put the onions and potatoes on the rack. Add 1 quart beer, cover, and bring to a boil steam 5 to 7 minutes. Uncover, check to see how much beer has evaporated, and add 1/2 quart more if necessary. Be sure there is always at least 1-inch of beer in the bottom of the pan. Add the lobsters, corn, and steamers or littlenecks. They may be layered over the lobster and corn or put into a cheesecloth bag. Finally, lay the hot dogs on top. Cover and start timing the cooking from the moment the steam escapes from under the cover. It should take 20 to 25 minutes for the food to cook. If you are doing this at home, prepare your table while the food is steaming. I like to eat this outdoors. I cover my table with newspapers and have individual plates, nutcrackers, and small bowls for the butter. There is no elegant way to eat this meal. Put on your old shirt and dig in. Dunk everything in the butter including the hot dog! Note 1: See "How to Eat (or Deal with) a Cooked Lobster" on page 27. Note 2: The grand star of this event is the lobster, but believe it or not the scene is sometimes stolen by the hot dogs.

"The Catch: Sea-to-Table Recipes, Stories and Secrets" by Ben Sargent with Peter Kaminsky, photography by Gabriela Herman

Ben Sargent is likely a familiar face for fans of cooking television. He's the host of the Cooking Channel show "Hook, Line and Dinner" and he's appeared on Food Network's "Iron Chef America" as a judge and contestant, and "Chopped" as a contestant.

He's also a familiar face on Cape Cod come summertime. Sargent spent nearly every summer on the Cape when he was growing up. He worked odd jobs — operating sprinklers, babysitting, selling ice cream — and spent time at the Goose Hummock Shop, a bait and tackle store in Orleans that his grandfather owned.

Sargent's Cape connections instilled in him a love and appreciation for all things seafood. He's an avid fisherman and lives by the "catch it, cook it, eat it" mentality he says his grandfather imparted to him.

That's why it's no surprise Sargent's first cookbook, "The Catch," (hot off the press just 24 hours ago) is all about making meals from the sea.

The book contains 100 recipes and is divided into sections by type of seafood — shellfish vs. fin fish with recipes for everything from snakehead and salmon to oysters and octopus. Sargent says he caught everything in the book.

He adds some personal flavor by providing brief anecdotes to preface each recipe.

Sargent says his book isn't "foamy" — "I don't even know how to make a foam," he says of the culinary technique, most recently seen in molecular gastronomy — and he encourages readers to follow the recipes loosely.

Sargent describes himself as a "down-home-style cook" and prefers to simply cook with what's available, what's in the garden or what he caught that day. He hopes readers do the same.

"It's going to be a cookbook for fishermen and cooks, not for chefs. It's for people who love to go out and catch their own food," he says.

On the difference between chefs and cooks: "Chefs have the experience and are not intimidated by recipes. (My book) isn't designed for that kind of people. I wanted to make it for people on a summer vacation with the kids. You're not going to find anything overly complicated."

Sargent earned notoriety and a threat of imprisonment by selling Cape Cod-style lobster rolls out of his apartment in Brooklyn. He ran an underground operation that kept four tanks of propane and lobsters all over his apartment — even in his bathtub, he says. On a good day, he'd make 150 lobster rolls, he writes in "The Catch."

"That was the most money I made in my life. . It looked like a crack house people would line up all the way around the corner," he says.

Here's how to make his much-coveted delicacy:

2 tablespoons coarse sea salt

4 large garlic cloves, smashed and peeled

1 teaspoon black peppercorns, cracked

8 tablespoons (1 stick) salted butter

6 top-sliced hot dog rolls

In a large clam or lobster pot, add 2 inches of water. Put in the onion halves cut sides down and add the coarse sea salt, garlic, bay leaves, and black peppercorns. Leve para ferver em fogo alto. Put in the lobsters head up, the first 2 sitting on the onion halves, and loosely stack the other 2 lobsters, making sure all the lobsters are evenly spaced apart. Cover and cook over medium-high heat until bright red all over, about 6 minutes. They will be a little undercooked for a reason! Transfer the lobsters to a large rimmed baking sheet and let cool. Work over the sheet to collect all the lobster juices and fat. Twist the tails and the claws from the bodies. Pull off the tail ends or flippers from the tail shells and push the tail meat out of the shells with your thumb. Cut down the top of the tails and discard the dark vein. Twist the knuckles from the claws. Cover the claws with a kitchen towel and with a mallet or the back of a large knife, gently crack the claws on both sides to loosen the shells from the meat. Break the shell off of the claws and pull out the claws, preferably each in one piece. Break up the knuckles and push out the meat. Cut the tails down the center and give all of the lobster meat just a few chops the meat should be in nice chunks. You should have about 5 cups of meat. Put the meat and all of the collected juices in a large skillet and set aside. Now heat a griddle. Meanwhile, in a small saucepan, melt the butter with the garlic powder and stir. Open the hot dog buns and brush only the insides with some of the garlic butter. Toast the buns on the hot griddle on medium-high heat until golden brown and crisp, about 2 minutes per side. Reduce the heat to medium if the griddle gets too hot. Very gently reheat the lobster meat over low heat until barely hot. Remove the skillet from the heat, stir in the mayonnaise, and season with fine sea salt. Pack the lobster meat into the toasted buns and drizzle each with a little more of the garlic butter. Sprinkle with Old Bay seasoning and serve right away. You should have a nice pink-orange sauce developing around the meat as a result of the mayo and lobster juice cooking just a bit. The cooked lobster meat and juices can be refrigerated overnight. Bring to room temperature, then reheat very gently if you are assembling the rolls the following day. Save the lobster bodies and shells for bisque or stock. Store in the freezer for up to 1 month.


There's fish and there are chips, but not as you might expect from the classic combo! The stated aim of the Fish Shack Cafe in Temple Bar is to bring its clients a sophisticated plate of fish and chips, a mission they accomplish by spicing up classic favourites with an Asian twist. The shrimp is cooked in a hot, spicy sauce along with tomatoes and onions. On the side you have a choice of chips or salad, depending on whether you're going for a healthy or a hearty meal!

The first fish dish we tend to think of in Japanese cooking is sushi, but there are plenty of other ways the Japanese cook their fish. One such example is tempura – where seafood is dipped in a light batter and then flash-fried. The Tempura Ramen at Kuraudo is a noodle broth dish which is topped with tempura salmon, squid and prawn pieces. In addition, there are veggies such as seaweed, mushrooms and pak choi thrown in for good measure.


8 Great Lobster Rolls without Leaving the State

Summer is high time to indulge in lobster, and one of the best ways to enjoy this tasty crustacean is in one of its classic incarnations: the lobster roll. Behold, eight places in Houston where you can get your lobster roll on right now.

Bernie’s Burger Bus
Lobster Roll, $16.75
Vying for the title of best lobster roll in town is new kid on the block Bernie’s Burger Bus (5407 Bellaire Blvd., 713-349-9400), where owner and chef Justin Turner is offering a weekend special, off-menu lobster roll that’ll knock your socks off. “My inspiration is I haven't found a lobster roll down here I liked,” says Turner, who fills a buttery, lightly crisp and chewy Slow Dough challah bun with seven ounces of fresh lobster meat, claw and all. In fact, there’s so much lobster in the roll, you’re likely to run out of bread before you finish all the lobster. The caveat: it’s only available Friday through Sunday, and it’s a high sellout item, which means when it’s gone, it’s gone.

Whole Lobster Roll, $18.99
Okay, so a lobster roll roundup in Houston would not be complete without mention of Maine-ly Sandwiches ( 10745 North Fwy., 281-820-8920 ) where just one bite of the buttery, lightly crisped roll stuffed with beautiful chunks of orange lobster will transport you to that seaside tavern in New England, like, stat. On the afternoon we were there, we overheard a patron saying just that: “I grew up in Boston, and this just brought up all my childhood memories,” she said, adding emphatically “I will be back.” You can order halves, but the whole roll—stuffed with four ounces of lump lobster direct from Portland, Maine—is the way to go, if only to enjoy more of the roll, which is is soft like brioche, and slightly chewy like a croissant, and yet airy like sponge cake.

Lobster sliders, $18
If you’re familiar with Jonathan Levine’s food, then you’ll know that he is a wizard with his lobster (he opened his first restaurant in Cape Cod, after all). So it should be no surprise that the lobster sliders (his version of the classic lobster roll) at Jonathan's the Rub ( 9061 Gaylord Dr., 713-465-8200 )—six ounces of gloriously fresh, beautiful lobster hunks served over two toasted Hawaiian buns—are seriously fantastic. In fact, you’ll have trouble restraining yourself from inhaling the whole plate too quickly. It’s all about the slight sweetness of the buns and the way in which they accentuate the natural sweetness of the lobster meat that will make you go “YUM.”

Liberty Kitchen & Oysterette

Maine Lobster Roll, $30
The largest of all the lobster rolls on this list, chef Travis Lenig went to New England to do some reconnaissance before putting his lobster roll on the menu at Liberty Kitchen & Oysterette (4224 San Felipe, 713-622-1010). The result: A huge, moist, Kraftsmen roll filled to the brim (to the tune of the 8 ounces of lobster) with a mixture whole chunks of lobster in a creamy lemon tarragon sauce. Celery bits add texture to each bite of lobster-filled deliciousness, and house-made vinegar chips complete the package.

Mini Maine Lobster Rolls, $27
They come to the table simply arranged on an oval plate, three tantalizing little rolls separated by crispy house-made lattice-cut potato chips. The rolls, like all the breads in the house, are made daily by Vallone’s ( 947 N. Gessner Rd., 713-395-6100 ) pastry chef and baker, and are soft and sort of spongy, with a texture and flavor similar to a brioche, only firmer around the edges. In the middle, pink tufts of Maine lobster meat spill forth, dotted with a just a smattering of green chives. You can get about three to five bites out of each mini lobster roll, just enough to be satisfying, not enough to make you full—which is perfect for what it is, an appetizer and prelude for the main course (Vallone’s is a steakhouse, after all).

Mini lobster rolls, $16
Debuting on the new summer menu at Canopy (3939 Montrose Blvd., 713-528-6848 ) are the cutest trio of lobster rolls you’ll ever see. Shaped almost like mini croissants, the rolls are baked fresh daily in house, then stuffed with a lobster salad mix that has a bit of an Asian twist to it, thanks to the use of sriracha, sambal, and soy in the recipe. They’re available as an appetizer for lunch and dinner, but these three babies can make a tasty meal all on their own.

Nova Scotia Lobster Roll, $18.90
Though it’s no longer on the menu (replaced by the lobster BLT), regulars and those in the know can still order The Palm’s (6100 Westheimer Rd., 713-977-2544) famous lobster roll, made with five ounces of fresh Nova Scotia lobster (they prep all the lobster in-house) and served on a sourdough roll in a creamy tarragon sauce, with a side of fries. The bread is more crisp than some of the softer lobster buns out there, but the buttered-crisp flavor and exceedingly fresh lobster make this a formidable sandwich.

Classic lobster roll, $16
It’s called a “Classic Lobster Roll” on the menu at Up ( 3995 Westheimer Rd., 713-640-5416 ), but it must be a loose definition because the current version is anything but conventional. A soft, hot-dog shaped white bun provides the base for Up’s lobster roll, which is topped with slices of avocado, and about four to five ounces of fresh lobster chunks. Served with spicy aoili and topped with green olives, dried miso flakes and fried leeks.


Something fishy going on in Temple Bar with Klaw’s new café

From today, there’s a new place to enjoy a taste of the sea in the heart of the city. At Spranger’s Yard, Temple Bar, The Seafood Café will open from early ‘til late 7 days offering simple, super-fresh seafood served up in Niall Sabongi’s signature Klaw style. Get your fish on with great wines, Bloody Marys and more, in a relaxed café with bar, booth and outdoor seating.

Starting the day with fresh brewed coffee and a range of pastries including homemade Portuguese tarts, and moving on to a lunch menu that includes smoked haddock & spinach croque-madames, quiches, fish pies and sandwiches and soup or chowder to take away, The Seafood Café will ramp it up from 5pm each evening.

Start with Snax, including East Coast crab on toast (€6), salt cod croquettes (€6) or potted Clare Island salmon (€6). Small plates include Sally Barnes’ smoked pollock with crispy Hens Egg (€10) or ahi poke taco with chipotle aioli (€8). For salads, it’s Lambay crab waldorf (€11.50) or wild prawn cocktail (€12).

The Shellfish selection is rightly impressive, featuring chilled or grilled lobster, half or whole (€18/32), whole Dublin Bay prawns, steamed or grilled (€18) or dressed local brown crab with Rye Toast (€14). Big plates include Niall’s fish pie (€18), Klaw’s lobster roll with fries and leaves (€21) and moules marinière (€15/€8). For true indulgence, pick a side of either macaroni cheese or house fries with sour cream and add either crab (€4.50) or lobster (€9.50).

The drinks menu includes white (Picpoul, Albarino, Mahi, Muscadet and Chablis), red (Syrah, Cotes du Rhone) and sparkling (Baron Fuente, Valdobbiadene Frizzante). Beers include Klaw’s own brews – Klaw IPA Pils and Klaw Shuck n’ Suck Indian Pale Ale. A choice of five different Bloody Marys are made distinctive with ingredients such as pickle, house spice mix, oyster, crispy bacon, clamato juice and even smoked salmon.

The Seafood Café is open seven days, from 8am Monday-Friday and from 11am Saturday and Sunday. Walk-ins are welcome.


Assista o vídeo: Hunted at Sea. Critical Role. Campaign 2, Episode 100 (Dezembro 2021).