Receitas tradicionais

Sonoma Grape Camp (apresentação de slides)

Sonoma Grape Camp (apresentação de slides)

Experimente o processo de fabricação de vinho em Sonoma County, Califórnia.

Sonoma County

Desdobrando-se 35 milhas ao norte de São Francisco, a rica confluência de litorais do Oceano Pacífico e topografias de vales, cobertos por uma rica base geológica, e todos congelados com as condições meteorológicas certas, criam 15 AVAs (American Viticulture Area Areas) que definem as sub-regiões vinícolas do Condado de Sonoma. A região é mais conhecida por sua produção de vinhos pinot noir, chardonnay e cabernet sauvignon de classe mundial.

Vintner’s Inn

Para seus beliches, os "campistas" não duram muito neste acampamento. Em vez de acampar ao lado de uma fogueira aberta, o acampamento base possui lareiras nos quartos no Vintner’s Inn, nos terrenos dos vinhedos Ferrari-Carano, aninhados em meio a fileiras de uvas bem cuidadas, uma banheira de hidromassagem e uma quadra de bocha. Também no local fica a John Ash and Co., considerada a casa fundadora da culinária vinícola de Sonoma.

Knights Bridge Winery

O trabalho árduo nas vinhas é recompensado não apenas com vinhos finos, mas também com alimentos finos, em particular do chef / proprietário Tim Carl do Knights Bridge Adega na região do Vale do Cavaleiro. Carl vem de uma família de fazendeiros de sexta geração do norte da Califórnia e voltou para a fazenda depois de uma carreira ganhando um PhD em genética, que ele diz informar seus sentidos do vinho.

Ramekins

Parte da experiência do Grape Camp inclui uma aventura culinária em Ramekins, um restaurante e escola de culinária perto da cidade de Sonoma. Os chefs executivos abrem as portas de um restaurante em funcionamento para ensinar aos chefs iniciantes os meandros da mestria culinária.

Vinhas

O acampamento da uva não é só comida gourmet e vinhos finos. Você não pode beber vinho sem uvas, e você tem que cultivar e colher as uvas, e isso significa até às 7 da manhã para aprender como colher uvas frescas da videira. Embora, de acordo com o produtor de uvas Steve Sangiacomo, a maior parte da colheita, conhecida como hora de "esmagamento", seja feita à noite para melhor teor de açúcar e condições de trabalho sob o sol quente de Sonoma.

Colheita

A época da colheita é estrategicamente escolhida pelo mestre do vinho. "A semente define uma uva vinífera", diz Karissa Kruse, coproprietária da Argot Wines e presidente da Sonoma County Winegrape Commission. "Existem várias maneiras de calcular os números durante a colheita, mas os produtores de vinho podem ir aos campos e olhar as sementes, à medida que amadurecem, ficam cada vez mais marrons."

Colhendo uvas

Para a produção de vinho, os caules das uvas são normalmente cortados à mão usando ferramentas de corte e, em seguida, jogados com cuidado em panelas. Sangiacomo diz que os colhedores são muito hábeis em quais uvas colher e ainda são melhores do que as máquinas de uvas para vinhos finos. Sua família cultiva esta terra desde 1927.

Transporte

As bandejas de uvas são levadas para carrinhos grandes para serem transportadas para os produtores de vinho. Cada carroça produz cerca de um barril de vinho, cerca de 25 caixas de vinho. Dependendo do caule e do tamanho da uva, isso pode ser cerca de 630 uvas por garrafa.

Pisão da Uva

Ao mesmo tempo, a pisa das uvas era o melhor meio de prensar as uvas para fermentação e barrilagem. Hoje, bem, pisar no vinho é realmente apenas para memes da Internet, Lucille Ball, concursos e Grape Camp! E diversão. Eles não usam mais essas uvas para fazer vinho.

A menina e o figo

Oferecer um dos jantares bem combinados era A menina e o figo restaurante, aberto desde 1997, um dos restaurantes mais famosos de Sonoma. A proprietária Sondra Bernstein, junto com o chef de cuisine Jeremy Zimmerman, oferece comida francesa típica do país, que normalmente apresenta produtos cultivados localmente (incluindo suntuosos figos Sonoma!).


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, de 4 anos, e seu primo Oliver, de 2 anos, colhem rabanetes e morangos no jardim culinário da Scribe, a vinícola de Sonoma que se tornou conhecida como a porta-estandarte das vibrações vinícolas da próxima onda. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. Com sua estrada sinuosa com palmeiras, jardins caindo aos pedaços projetados pela empresa de paisagismo Terremoto de Los Angeles e uma hacienda dos anos 1920 restaurada exatamente assim, Scribe é o tipo de lugar implorando para ser socializado por visitantes jovens. Também ajuda o fato de o vinho ser extremamente saboroso: aquele Sylvaner crocante, o Pinot Noir terroso e outros engarrafamentos de um único vinhedo atraem as pessoas para degustações de roda livre, inevitavelmente encerradas por uma sessão de hang no gramado para ver o sol mergulhar abaixo das videiras. Foi o local perfeito para passar o dia na região do vinho. Ou pelo menos era antes da pandemia.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Para não desanimar, a família Mariani aproveitou os dias adormecidos do bloqueio inconstante para construir novos espaços ao ar livre e fazer novos vinhos que incorporam as festas de gramado suspensas: um pet-nat rosa efervescente disponível em magnum, um Pinot branco Noir, é um rosé vivo e fresco que tem o nariz de um clássico provençal. Hoje a família está aproveitando ao máximo sua unidade de quarentena com um almoço em família em um deque originalmente projetado para acomodar refeições ao ar livre seguras da Covid. O último bloqueio os impediu de usá-lo, então eles removeram a tenda, e voilà, uma sala de jantar ao ar livre perfeita para a família se reunir neste dia de final de primavera e brindar suas bênçãos.

“Passamos o ano passado fazendo vinho e tendo bebês”, diz Andrew, o mais velho dos irmãos. Ele e sua esposa, a cantora e compositora Lia Ices, deram as boas-vindas a um novo bebê na pandemia, Alice, de 4 meses, enquanto Adam e sua esposa, Kezia, têm Innes de 4 semanas a reboque, assim como Oliver. As famílias em crescimento estão aqui para comer um banquete preparado por Kelly, uma ex-cozinheira do Chez Panisse. No cardápio de hoje: truta embrulhada poeticamente em folhas de uva em conserva, pão achatado de gergelim, salada da horta, ovos de galinha e costelas de cordeiro assadas no forno a lenha. Ou, como diz Kelly: “Então. Muito. Comida."

Os vegetais que aparecem nos pratos vêm da fazenda local, supervisionada por Stephen Carter cujas chicórias lindas, verduras tenras, morangos frescos e muito mais são a base para os lanches servidos no jardim aos hóspedes quando o bloqueio não está em vigor. Hoje a música também está no cardápio. Lia acaba de lançar Álbum de família, seu quarto disco. É uma exploração da maternidade, conexão com a natureza e laços familiares. Eles tiraram o pó do piano que usam para eventos e o colocaram em um deck no alto da colina, se o clima bater.

As crianças vão para o galinheiro com seus pais e recolhem os ovos enquanto Kelly começa a trabalhar na nova cozinha baixa ao ar livre da vinícola. Ele está situado na encosta, todo concreto derramado, pedra empilhada, com uma grade argentina alimentada por carvalhos derrubados na propriedade. A mesma madeira estala e arde no forno de pizza ao ar livre. Oliver deixa cair um ovo que tirou do galinheiro e acidentalmente o quebra, mas seu pai de raciocínio rápido o derrama direto no chão de pedra quente do forno e cozinha, polvilha com sal em flocos e serve para Oliver direto da pizza casca. Kelly envolve a truta em folhas de uva, recheia-a com ervas e cozinha até que absorva o carvão das folhas e o perfume das ervas. No forno a lenha, as costelas de borrego chiam e ficam douradas e o feijão branco cozinha em frigideiras de ferro fundido. Adam pega uma bandeja com bolas de massa e as cozinha uma a uma no forno de 800 graus.

E, claro, há vinho. “Decidimos colocar o pét-nat em magnums”, diz Andrew. “Foi a nossa primeira vez engarrafando em grande formato. Mesmo que as pessoas não possam nos visitar, elas podem trazer a festa do Scribe para casa. ” Até que os convidados possam voltar, a família dá continuidade à festa, embora de uma forma mais suave do que no passado. “Quando começamos, olhávamos para nossos hóspedes e não percebíamos que estávamos nos vendo”, diz Andrew. “Primeiro eram casais jovens, depois casais com cachorros e depois casais com filhos”.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Lia toca e a família Mariani dança

Ao anoitecer, todos sobem a colina para dançar enquanto o sol se põe, enquanto Lia toca a faixa-título de seu novo disco, que praticamente resume o dia. “É imediato o desaparecimento imediato”, diz a música. “Oh, lá estamos nós, onde quer que estejamos, álbum de família.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, de 4 anos, e seu primo Oliver, de 2 anos, colhem rabanetes e morangos no jardim culinário de Scribe, a vinícola de Sonoma que se tornou conhecida como porta-estandarte das vibrações vinícolas da próxima onda. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. Com sua estrada sinuosa com palmeiras, jardins caindo aos pedaços projetados pela empresa de paisagismo Terremoto de Los Angeles e uma hacienda dos anos 1920 restaurada exatamente assim, Scribe é o tipo de lugar implorando para ser socializado por visitantes jovens. Também ajuda o fato de o vinho ser extremamente saboroso: aquele Sylvaner crocante, o Pinot Noir terroso e outros engarrafamentos de um único vinhedo atraem as pessoas para degustações de roda livre, inevitavelmente encerradas por uma sessão de hang no gramado para ver o sol mergulhar abaixo das videiras. Foi o local perfeito para passar o dia na região do vinho. Ou pelo menos era antes da pandemia.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Para não ser dissuadida, a família Mariani aproveitou os dias adormecidos do bloqueio inconstante para construir novos espaços ao ar livre e fazer novos vinhos que incorporam as festas de gramado suspensas: um pet-nat rosa efervescente disponível em magnum, um Pinot branco Noir, é um rosé vivo e fresco que tem o nariz de um clássico provençal. Hoje a família está aproveitando ao máximo sua unidade de quarentena com um almoço em família em um deque originalmente projetado para acomodar refeições ao ar livre seguras da Covid. O último bloqueio os impediu de usá-lo, então eles removeram a tenda, e voilà, uma sala de jantar ao ar livre perfeita para a família se reunir neste dia de final de primavera e brindar suas bênçãos.

“Passamos o ano passado fazendo vinho e tendo bebês”, diz Andrew, o mais velho dos irmãos. Ele e sua esposa, a cantora e compositora Lia Ices, deram as boas-vindas a um novo bebê na pandemia, Alice, de 4 meses, enquanto Adam e sua esposa, Kezia, têm Innes de 4 semanas a reboque, assim como Oliver. As famílias em crescimento estão aqui para comer um banquete preparado por Kelly, uma ex-cozinheira do Chez Panisse. No cardápio de hoje: truta embrulhada poeticamente em folhas de uva em conserva, pão achatado de gergelim, salada da horta, ovos de galinha e costelas de cordeiro assadas no forno a lenha. Ou, como diz Kelly: “Então. Muito. Comida."

Os vegetais que aparecem nos pratos vêm da fazenda local, supervisionada por Stephen Carter cujas chicórias lindas, verduras tenras, morangos frescos e muito mais são a base para os lanches servidos no jardim aos hóspedes quando o bloqueio não está em vigor. Hoje a música também está no cardápio. Lia acaba de lançar Álbum de família, seu quarto disco. É uma exploração da maternidade, conexão com a natureza e laços familiares. Eles tiraram o pó do piano que usam para eventos e o jogaram em um deck na colina, se o clima bater.

As crianças vão para o galinheiro com seus pais e recolhem os ovos enquanto Kelly começa a trabalhar na nova cozinha baixa ao ar livre da vinícola. Ele está situado na encosta, todo concreto derramado, pedra empilhada, com uma grade argentina alimentada por carvalhos derrubados na propriedade. A mesma madeira estala e arde no forno de pizza ao ar livre. Oliver deixa cair um ovo que tirou do galinheiro e acidentalmente o quebra, mas seu pai de raciocínio rápido o derrama direto no chão de pedra quente do forno e cozinha, polvilha com sal em flocos e serve para Oliver direto da pizza casca. Kelly envolve a truta em folhas de uva, recheia-a com ervas e cozinha até que absorva o carvão das folhas e o perfume das ervas. No forno a lenha, as costelas de borrego chiam e ficam douradas e o feijão branco cozinha em frigideiras de ferro fundido. Adam pega uma bandeja com bolas de massa e as cozinha uma a uma no forno de 800 graus.

E, claro, há vinho. “Decidimos colocar o pét-nat em magnums”, diz Andrew. “Foi a nossa primeira vez engarrafando em grande formato. Mesmo que as pessoas não possam nos visitar, elas podem trazer a festa do Scribe para casa. ” Até que os convidados possam voltar, a família dá continuidade à festa, embora de uma forma mais suave do que no passado. “Quando começamos, olhávamos para nossos hóspedes e não percebíamos que estávamos nos vendo”, diz Andrew. “Primeiro eram casais jovens, depois casais com cachorros e depois casais com filhos”.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Lia toca e a família Mariani dança

Ao anoitecer, todos sobem a colina para dançar enquanto o sol se põe, enquanto Lia toca a faixa-título de seu novo disco, que praticamente resume o dia. “É imediato o desaparecimento imediato”, diz a música. “Oh, lá estamos nós, onde quer que estejamos, álbum de família.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, de 4 anos, e seu primo Oliver, de 2 anos, colhem rabanetes e morangos no jardim culinário de Scribe, a vinícola de Sonoma que se tornou conhecida como porta-estandarte das vibrações vinícolas da próxima onda. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. Com sua estrada sinuosa com palmeiras, jardins caindo aos pedaços projetados pela empresa de paisagismo Terremoto de Los Angeles e uma hacienda dos anos 1920 restaurada exatamente assim, Scribe é o tipo de lugar implorando para ser socializado por visitantes jovens. Também ajuda o fato de o vinho ser extremamente saboroso: aquele Sylvaner crocante, o Pinot Noir terroso e outros engarrafamentos de um único vinhedo atraem as pessoas para degustações de roda livre, inevitavelmente encerradas por uma sessão de hang no gramado para ver o sol mergulhar abaixo das videiras. Foi o local perfeito para passar o dia na região do vinho. Ou pelo menos era antes da pandemia.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Para não ser dissuadida, a família Mariani aproveitou os dias adormecidos do bloqueio inconstante para construir novos espaços ao ar livre e fazer novos vinhos que incorporam as festas de gramado suspensas: um pet-nat rosa efervescente disponível em magnum, um Pinot branco Noir, é um rosé vivo e fresco que tem o nariz de um clássico provençal. Hoje a família está aproveitando ao máximo sua unidade de quarentena com um almoço em família em um deque originalmente projetado para acomodar refeições ao ar livre seguras da Covid. O último bloqueio os impediu de usá-lo, então eles removeram a tenda, e voilà, uma sala de jantar ao ar livre perfeita para a família se reunir neste dia de final de primavera e brindar suas bênçãos.

“Passamos o ano passado fazendo vinho e tendo bebês”, diz Andrew, o mais velho dos irmãos. Ele e sua esposa, a cantora e compositora Lia Ices, deram as boas-vindas a um novo bebê na pandemia, Alice, de 4 meses, enquanto Adam e sua esposa, Kezia, têm Innes de 4 semanas a reboque, assim como Oliver. As famílias em crescimento estão aqui para comer um banquete preparado por Kelly, uma ex-cozinheira do Chez Panisse. No cardápio de hoje: truta embrulhada poeticamente em folhas de uva em conserva, pão achatado de gergelim, salada da horta, ovos de galinha e costelas de cordeiro assadas no forno a lenha. Ou, como diz Kelly: “Então. Muito. Comida."

Os vegetais que aparecem nos pratos vêm da fazenda local, supervisionada por Stephen Carter cujas chicórias lindas, verduras tenras, morangos frescos e muito mais são a base para os lanches servidos no jardim aos hóspedes quando o bloqueio não está em vigor. Hoje a música também está no cardápio. Lia acaba de lançar Álbum de família, seu quarto disco. É uma exploração da maternidade, conexão com a natureza e laços familiares. Eles tiraram o pó do piano que usam para eventos e o colocaram em um deck no alto da colina, se o clima bater.

As crianças vão para o galinheiro com seus pais e recolhem os ovos enquanto Kelly começa a trabalhar na nova cozinha baixa ao ar livre da vinícola. Ele está situado na encosta, todo concreto derramado, pedra empilhada, com uma grade argentina alimentada por carvalhos derrubados na propriedade. A mesma madeira estala e arde no forno de pizza ao ar livre. Oliver deixa cair um ovo que tirou do galinheiro e acidentalmente o quebra, mas seu pai de raciocínio rápido o derrama direto no chão de pedra quente do forno e cozinha, polvilha com sal em flocos e serve para Oliver direto da pizza casca. Kelly envolve a truta em folhas de uva, recheia-a com ervas e cozinha até que absorva o carvão das folhas e o perfume das ervas. No forno a lenha, as costelas de borrego chiam e ficam douradas e o feijão branco cozinha em frigideiras de ferro fundido. Adam pega uma bandeja com bolas de massa e as cozinha uma a uma no forno de 800 graus.

E, claro, há vinho. “Decidimos colocar o pét-nat em magnums”, diz Andrew. “Foi a nossa primeira vez engarrafando em grande formato. Mesmo que as pessoas não possam nos visitar, elas podem trazer a festa do Scribe para casa. ” Até que os convidados possam voltar, a família dá continuidade à festa, embora de uma forma mais suave do que no passado. “Quando começamos, olhávamos para nossos hóspedes e não percebíamos que estávamos nos vendo”, diz Andrew. “Primeiro eram casais jovens, depois casais com cachorros e depois casais com filhos”.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Lia toca e a família Mariani dança

Quando a noite chega, todos sobem a colina para dançar enquanto o sol se põe, enquanto Lia toca a faixa-título de seu novo disco, que resume o dia. “É imediato o desaparecimento imediato”, diz a música. “Oh, lá estamos nós, onde quer que estejamos, álbum de família.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, de 4 anos, e seu primo Oliver, de 2 anos, colhem rabanetes e morangos no jardim culinário da Scribe, a vinícola de Sonoma que se tornou conhecida como a porta-estandarte das vibrações vinícolas da próxima onda. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. Com sua estrada sinuosa com palmeiras, jardins caindo aos pedaços projetados pela empresa de paisagismo Terremoto de Los Angeles e uma hacienda dos anos 1920 restaurada exatamente assim, Scribe é o tipo de lugar implorando para ser socializado por visitantes jovens. Também ajuda o fato de o vinho ser extremamente saboroso: aquele Sylvaner crocante, o Pinot Noir terroso e outros engarrafamentos de um único vinhedo atraem as pessoas para degustações de roda livre, inevitavelmente encerradas por uma sessão de hang no gramado para ver o sol mergulhar abaixo das videiras. Foi o local perfeito para passar o dia na região do vinho. Ou pelo menos era antes da pandemia.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Para não ser dissuadida, a família Mariani aproveitou os dias adormecidos do bloqueio inconstante para construir novos espaços ao ar livre e fazer novos vinhos que incorporam as festas de gramado suspensas: um pet-nat rosa efervescente disponível em magnum, um Pinot branco Noir, é um rosé vivo e fresco que tem o nariz de um clássico provençal. Hoje, a família está aproveitando ao máximo seu pod de quarentena com um almoço em família em um deque originalmente projetado para acomodar refeições ao ar livre seguras da Covid. O último bloqueio os impediu de usá-lo, então eles removeram a tenda, e voilà, uma sala de jantar ao ar livre perfeita para a família se reunir neste dia de final de primavera e brindar suas bênçãos.

“Passamos o ano passado fazendo vinho e tendo bebês”, diz Andrew, o mais velho dos irmãos. Ele e sua esposa, a cantora e compositora Lia Ices, deram as boas-vindas a um novo bebê na pandemia, Alice, de 4 meses, enquanto Adam e sua esposa, Kezia, têm Innes de 4 semanas a reboque, assim como Oliver. As famílias em crescimento estão aqui para comer um banquete preparado por Kelly, uma ex-cozinheira do Chez Panisse. No cardápio de hoje: truta embrulhada poeticamente em folhas de uva em conserva, pão achatado de gergelim, salada da horta, ovos de galinha e costelas de cordeiro assadas no forno a lenha. Ou, como diz Kelly: “Então. Muito. Comida."

Os vegetais que aparecem nos pratos vêm da fazenda local, supervisionada por Stephen Carter cujas chicórias lindas, verduras tenras, morangos frescos e muito mais são a base para os lanches servidos no jardim aos hóspedes quando o bloqueio não está em vigor. Hoje a música também está no cardápio. Lia acaba de lançar Álbum de família, seu quarto disco. É uma exploração da maternidade, conexão com a natureza e laços familiares. Eles tiraram o pó do piano que usam para eventos e o colocaram em um deck no alto da colina, se o clima bater.

As crianças vão para o galinheiro com seus pais e recolhem os ovos enquanto Kelly começa a trabalhar na nova cozinha baixa ao ar livre da vinícola. Ele está situado na encosta, todo concreto derramado, pedra empilhada, com uma grade argentina alimentada por carvalhos derrubados na propriedade. A mesma madeira estala e arde no forno de pizza ao ar livre. Oliver deixa cair um ovo que tirou do galinheiro e acidentalmente o quebra, mas seu pai de raciocínio rápido o derrama direto no chão de pedra quente do forno e cozinha, polvilha com sal em flocos e serve para Oliver direto da pizza casca. Kelly envolve a truta em folhas de uva, recheia-a com ervas e cozinha até que absorva o carvão das folhas e o perfume das ervas. No forno a lenha, as costelas de borrego chiam e ficam douradas e o feijão branco cozinha em frigideiras de ferro fundido. Adam pega uma bandeja com bolas de massa e as cozinha uma a uma no forno de 800 graus.

E, claro, há vinho. “Decidimos colocar o pét-nat em magnums”, diz Andrew. “Foi a nossa primeira vez engarrafando em grande formato. Mesmo que as pessoas não possam nos visitar, elas podem trazer a festa do Scribe para casa. ” Até que os convidados possam voltar, a família dá continuidade à festa, embora de uma forma mais suave do que no passado. “Quando começamos, olhávamos para nossos hóspedes e não percebíamos que estávamos nos vendo”, diz Andrew. “Primeiro eram casais jovens, depois casais com cachorros e depois casais com filhos”.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Lia toca e a família Mariani dança

Quando a noite chega, todos sobem a colina para dançar enquanto o sol se põe, enquanto Lia toca a faixa-título de seu novo disco, que resume o dia. “É imediato o desaparecimento imediato”, diz a música. “Oh, lá estamos nós, onde quer que estejamos, álbum de família.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, de 4 anos, e seu primo Oliver, de 2 anos, colhem rabanetes e morangos no jardim culinário da Scribe, a vinícola de Sonoma que se tornou conhecida como a porta-estandarte das vibrações vinícolas da próxima onda. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. Com sua estrada sinuosa com palmeiras, jardins caindo aos pedaços projetados pela empresa de paisagismo Terremoto de Los Angeles e uma hacienda dos anos 1920 restaurada exatamente assim, Scribe é o tipo de lugar implorando para ser socializado por visitantes jovens. Também ajuda o fato de o vinho ser extremamente saboroso: aquele Sylvaner crocante, o Pinot Noir terroso e outros engarrafamentos de um único vinhedo atraem as pessoas para degustações de roda livre, inevitavelmente encerradas por uma sessão de hang no gramado para ver o sol mergulhar abaixo das videiras. Foi o local perfeito para passar o dia na região do vinho. Ou pelo menos era antes da pandemia.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Para não ser dissuadida, a família Mariani aproveitou os dias adormecidos do bloqueio inconstante para construir novos espaços ao ar livre e fazer novos vinhos que incorporam as festas de gramado suspensas: um pet-nat rosa efervescente disponível em magnum, um Pinot branco Noir, é um rosé vivo e fresco que tem o nariz de um clássico provençal. Hoje a família está aproveitando ao máximo sua unidade de quarentena com um almoço em família em um deque originalmente projetado para acomodar refeições ao ar livre seguras da Covid. O último bloqueio os impediu de usá-lo, então eles removeram a tenda, e voilà, uma sala de jantar ao ar livre perfeita para a família se reunir neste dia de final de primavera e brindar suas bênçãos.

“Passamos o ano passado fazendo vinho e tendo bebês”, diz Andrew, o mais velho dos irmãos. Ele e sua esposa, a cantora e compositora Lia Ices, deram as boas-vindas a um novo bebê na pandemia, Alice, de 4 meses, enquanto Adam e sua esposa, Kezia, tinham Innes de 4 semanas a reboque, assim como Oliver. As famílias em crescimento estão aqui para comer um banquete preparado por Kelly, uma ex-cozinheira do Chez Panisse. No cardápio de hoje: truta embrulhada poeticamente em folhas de uva em conserva, pão achatado de gergelim, salada da horta, ovos de galinha e costelas de cordeiro assadas no forno a lenha. Ou, como diz Kelly: “Então. Muito. Comida."

Os vegetais que aparecem nos pratos vêm da fazenda local, supervisionada por Stephen Carter cujas chicórias lindas, verduras tenras, morangos frescos e muito mais são a base para os lanches servidos no jardim aos hóspedes quando o bloqueio não está em vigor. Hoje a música também está no cardápio. Lia acaba de lançar Álbum de família, seu quarto disco. É uma exploração da maternidade, conexão com a natureza e laços familiares. Eles tiraram o pó do piano que usam para eventos e o colocaram em um deck no alto da colina, se o clima bater.

As crianças vão para o galinheiro com seus pais e recolhem os ovos enquanto Kelly começa a trabalhar na nova cozinha baixa ao ar livre da vinícola. Ele está situado na encosta, todo concreto derramado, pedra empilhada, com uma grade argentina alimentada por carvalhos derrubados na propriedade. A mesma madeira estala e arde no forno de pizza ao ar livre. Oliver deixa cair um ovo que tirou do galinheiro e acidentalmente o quebra, mas seu pai de raciocínio rápido o derrama direto no chão de pedra quente do forno e cozinha, polvilha com sal em flocos e serve para Oliver direto da pizza casca. Kelly envolve a truta em folhas de uva, recheia-a com ervas e cozinha até que absorva o carvão das folhas e o perfume das ervas. No forno a lenha, as costelas de borrego chiam e ficam douradas e o feijão branco cozinha em frigideiras de ferro fundido. Adam pega uma bandeja com bolas de massa e as cozinha uma a uma no forno de 800 graus.

E, claro, há vinho. “Decidimos colocar o pét-nat em magnums”, diz Andrew. “Foi a nossa primeira vez engarrafando em grande formato. Mesmo que as pessoas não possam nos visitar, elas podem trazer a festa do Scribe para casa. ” Até que os convidados possam voltar, a família dá continuidade à festa, embora de uma forma mais suave do que no passado. “Quando começamos, olhávamos para nossos hóspedes e não percebíamos que estávamos nos vendo”, diz Andrew. “Primeiro eram casais jovens, depois casais com cachorros e depois casais com filhos”.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Lia toca e a família Mariani dança

Quando a noite chega, todos sobem a colina para dançar enquanto o sol se põe, enquanto Lia toca a faixa-título de seu novo disco, que resume o dia. “É imediato o desaparecimento imediato”, diz a música. “Oh, lá estamos nós, onde quer que estejamos, álbum de família.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, de 4 anos, e seu primo Oliver, de 2 anos, colhem rabanetes e morangos no jardim culinário da Scribe, a vinícola de Sonoma que se tornou conhecida como a porta-estandarte das vibrações vinícolas da próxima onda. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. Com sua estrada sinuosa com palmeiras, jardins caindo aos pedaços projetados pela empresa de paisagismo Terremoto de Los Angeles e uma hacienda dos anos 1920 restaurada exatamente assim, Scribe é o tipo de lugar implorando para ser socializado por visitantes jovens. Também ajuda o fato de o vinho ser extremamente saboroso: aquele Sylvaner crocante, o Pinot Noir terroso e outros engarrafamentos de um único vinhedo atraem as pessoas para degustações de roda livre, inevitavelmente encerradas por uma sessão de hang no gramado para ver o sol mergulhar abaixo das videiras. Foi o local perfeito para passar o dia na região do vinho. Ou pelo menos era antes da pandemia.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Para não ser dissuadida, a família Mariani aproveitou os dias adormecidos do bloqueio inconstante para construir novos espaços ao ar livre e fazer novos vinhos que incorporam as festas de gramado suspensas: um pet-nat rosa efervescente disponível em magnum, um Pinot branco Noir, é um rosé vivo e fresco que tem o nariz de um clássico provençal. Hoje a família está aproveitando ao máximo sua unidade de quarentena com um almoço em família em um deque originalmente projetado para acomodar refeições ao ar livre seguras da Covid. O último bloqueio os impediu de usá-lo, então eles removeram a tenda, e voilà, uma sala de jantar ao ar livre perfeita para a família se reunir neste dia de final de primavera e brindar suas bênçãos.

“Passamos o ano passado fazendo vinho e tendo bebês”, diz Andrew, o mais velho dos irmãos. Ele e sua esposa, a cantora e compositora Lia Ices, deram as boas-vindas a um novo bebê na pandemia, Alice, de 4 meses, enquanto Adam e sua esposa, Kezia, têm Innes de 4 semanas a reboque, assim como Oliver. As famílias em crescimento estão aqui para comer um banquete preparado por Kelly, uma ex-cozinheira do Chez Panisse. No cardápio de hoje: truta embrulhada poeticamente em folhas de uva em conserva, pão achatado de gergelim, salada da horta, ovos de galinha e costelas de cordeiro assadas no forno a lenha. Ou, como diz Kelly: “Então. Muito. Comida."

Os vegetais que aparecem nos pratos vêm da fazenda local, supervisionada por Stephen Carter cujas chicórias lindas, verduras tenras, morangos frescos e muito mais são a base para os lanches servidos no jardim aos hóspedes quando o bloqueio não está em vigor. Hoje a música também está no cardápio. Lia acaba de lançar Álbum de família, seu quarto disco. É uma exploração da maternidade, conexão com a natureza e laços familiares. Eles tiraram o pó do piano que usam para eventos e o colocaram em um deck no alto da colina, se o clima bater.

As crianças vão para o galinheiro com seus pais e recolhem os ovos enquanto Kelly começa a trabalhar na nova cozinha baixa ao ar livre da vinícola. Ele está situado na encosta, todo concreto derramado, pedra empilhada, com uma grade argentina alimentada por carvalhos derrubados na propriedade. A mesma madeira estala e arde no forno de pizza ao ar livre. Oliver deixa cair um ovo que tirou do galinheiro e acidentalmente o quebra, mas seu pai de raciocínio rápido o derrama direto no chão de pedra quente do forno e cozinha, polvilha com sal em flocos e serve para Oliver direto da pizza casca. Kelly envolve a truta em folhas de uva, recheia-a com ervas e cozinha até que absorva o carvão das folhas e o perfume das ervas. No forno a lenha, as costelas de borrego chiam e ficam douradas e o feijão branco cozinha em frigideiras de ferro fundido. Adam pega uma bandeja com bolas de massa e as cozinha uma a uma no forno de 800 graus.

E, claro, há vinho. “Decidimos colocar o pét-nat em magnums”, diz Andrew. “Foi a nossa primeira vez engarrafando em grande formato. Mesmo que as pessoas não possam nos visitar, elas podem trazer a festa do Scribe para casa. ” Até que os convidados possam voltar, a família dá continuidade à festa, embora de uma forma mais suave do que no passado. “Quando começamos, olhávamos para nossos hóspedes e não percebíamos que estávamos nos vendo”, diz Andrew. “Primeiro eram casais jovens, depois casais com cachorros e depois casais com filhos”.

Foto de Thomas J. Story design floral de Eugenia Ballvé

Lia toca e a família Mariani dança

Quando chega a noite, todos sobem a colina para dançar enquanto o sol se põe, enquanto Lia toca a faixa-título de seu novo disco, que praticamente resume o dia. “É imediato o desaparecimento imediato”, diz a música. “Oh, there we are, wherever we are, family album.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, age 4, and her cousin Oliver, age 2, pick radishes and strawberries from the culinary garden at Scribe, the Sonoma winery that has made a name for itself as the standard bearer of next-wave wine country vibes. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. With its winding palm-lined drive, tumbling gardens designed by red-hot Los Angeles landscape design firm Terremoto, and a 1920s hacienda restored just so, Scribe is the sort of place begging to be socialized by young visitors. It also helps that the wine is exceedingly quaffable: that crisp Sylvaner, earthy Pinot Noir, and other single-vineyard bottlings draw folks to freewheeling tastings, inevitably capped off by a hang session on the lawn to watch the sun dip below the vines. It was the perfect spot to while away the day in wine country. Or at least it was before the pandemic.

Photo by Thomas J. Story floral design by Eugenia Ballvé

Not to be deterred, the Mariani family have taken advantage of the dormant days of the shifting lockdown to build new outdoor spaces and make new wines that embody the lawn parties put on hold: an effervescent pink pét-nat available in magnum, a white Pinot Noir, and a zippy and fresh rosé that has the nose of a Provençal classic. Today the family is making the most of their quarantine pod with a family lunch on a deck originally designed to accommodate Covid-safe outdoor dining. The latest lockdown prevented them from ever using it, so they removed the tent, and voilà, a perfect alfresco dining room for the family to gather on this late spring day and toast their blessings.

“We’ve spent the past year making wine and having babies,” says Andrew, the oldest of the siblings. He and his wife, singer-songwriter Lia Ices, welcomed a new baby in the pandemic, 4-month-old Alice, while Adam and his wife, Kezia, have 4-week-old Innes in tow as well as Oliver. The growing families are here to eat a feast prepared by Kelly, a former cook at Chez Panisse. On the menu today: trout poetically wrapped in pickled grape leaves, sesame flatbread, salad from the garden, eggs from their chickens, and lamb ribs roasted in the wood-burning oven. Or, as Kelly puts it: “So. Much. Food.”

The vegetables that show up across the dishes come from the on-site farm, overseen by Stephen Carter whose gorgeous chicories, tender greens, fresh strawberries, and more are the foundation for the garden snacks served to guests when lockdown isn’t in effect. Today music is on the menu, too. Lia has just released Family Album, her fourth record. It’s an exploration of motherhood, connecting with nature, and family bonds. They’ve dusted off the piano they use for events and rolled it out onto a deck up the hill should the mood strike.

The kids head into the chicken coop with their dads and gather eggs while Kelly gets to work in the winery’s new low-slung outdoor kitchen. It’s nestled into the hillside, all poured concrete, stacked stone, with an Argentine grill fueled by oak trees felled on the property. The same wood crackles and blazes in the outdoor pizza oven. Oliver drops an egg he pulled from the chicken coop and accidentally cracks it, but his quick-thinking dad pours it straight onto the oven’s hot stone floor and cooks it through, sprinkles it with flaky salt, and serves it to Oliver straight off the pizza peel. Kelly wraps the trout in grape leaves, stuffs them with herbs, and cooks them until they pick up the char of the leaves and the perfume of the herbs. In the wood oven, the lamb ribs sizzle and brown and the white beans simmer in cast-iron pans. Adam takes a tray of dough balls and cooks them one by one in the 800-degree oven.

And, of course, there’s wine. “We decided to put the pét-nat in magnums,” says Andrew. “It was our first time bottling in large format. Even if people can’t visit us they can bring the Scribe party home.” Until the guests can come back, the family keeps that party going, albeit in a more mellow fashion than in days past. “When we first started, we’d look at our guests and didn’t realize we were seeing ourselves,” says Andrew. “First it was young couples, then it was couples with dogs, and then it was couples with kids.”

Photo by Thomas J. Story floral design by Eugenia Ballvé

Lia plays and the Mariani family dances

As evening arrives, everybody heads up the hill to dance as the sun sets while Lia plays the title track from her new record, which pretty much sums up the day. “It’s immediate how immediate fades away,” the song goes. “Oh, there we are, wherever we are, family album.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, age 4, and her cousin Oliver, age 2, pick radishes and strawberries from the culinary garden at Scribe, the Sonoma winery that has made a name for itself as the standard bearer of next-wave wine country vibes. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. With its winding palm-lined drive, tumbling gardens designed by red-hot Los Angeles landscape design firm Terremoto, and a 1920s hacienda restored just so, Scribe is the sort of place begging to be socialized by young visitors. It also helps that the wine is exceedingly quaffable: that crisp Sylvaner, earthy Pinot Noir, and other single-vineyard bottlings draw folks to freewheeling tastings, inevitably capped off by a hang session on the lawn to watch the sun dip below the vines. It was the perfect spot to while away the day in wine country. Or at least it was before the pandemic.

Photo by Thomas J. Story floral design by Eugenia Ballvé

Not to be deterred, the Mariani family have taken advantage of the dormant days of the shifting lockdown to build new outdoor spaces and make new wines that embody the lawn parties put on hold: an effervescent pink pét-nat available in magnum, a white Pinot Noir, and a zippy and fresh rosé that has the nose of a Provençal classic. Today the family is making the most of their quarantine pod with a family lunch on a deck originally designed to accommodate Covid-safe outdoor dining. The latest lockdown prevented them from ever using it, so they removed the tent, and voilà, a perfect alfresco dining room for the family to gather on this late spring day and toast their blessings.

“We’ve spent the past year making wine and having babies,” says Andrew, the oldest of the siblings. He and his wife, singer-songwriter Lia Ices, welcomed a new baby in the pandemic, 4-month-old Alice, while Adam and his wife, Kezia, have 4-week-old Innes in tow as well as Oliver. The growing families are here to eat a feast prepared by Kelly, a former cook at Chez Panisse. On the menu today: trout poetically wrapped in pickled grape leaves, sesame flatbread, salad from the garden, eggs from their chickens, and lamb ribs roasted in the wood-burning oven. Or, as Kelly puts it: “So. Much. Food.”

The vegetables that show up across the dishes come from the on-site farm, overseen by Stephen Carter whose gorgeous chicories, tender greens, fresh strawberries, and more are the foundation for the garden snacks served to guests when lockdown isn’t in effect. Today music is on the menu, too. Lia has just released Family Album, her fourth record. It’s an exploration of motherhood, connecting with nature, and family bonds. They’ve dusted off the piano they use for events and rolled it out onto a deck up the hill should the mood strike.

The kids head into the chicken coop with their dads and gather eggs while Kelly gets to work in the winery’s new low-slung outdoor kitchen. It’s nestled into the hillside, all poured concrete, stacked stone, with an Argentine grill fueled by oak trees felled on the property. The same wood crackles and blazes in the outdoor pizza oven. Oliver drops an egg he pulled from the chicken coop and accidentally cracks it, but his quick-thinking dad pours it straight onto the oven’s hot stone floor and cooks it through, sprinkles it with flaky salt, and serves it to Oliver straight off the pizza peel. Kelly wraps the trout in grape leaves, stuffs them with herbs, and cooks them until they pick up the char of the leaves and the perfume of the herbs. In the wood oven, the lamb ribs sizzle and brown and the white beans simmer in cast-iron pans. Adam takes a tray of dough balls and cooks them one by one in the 800-degree oven.

And, of course, there’s wine. “We decided to put the pét-nat in magnums,” says Andrew. “It was our first time bottling in large format. Even if people can’t visit us they can bring the Scribe party home.” Until the guests can come back, the family keeps that party going, albeit in a more mellow fashion than in days past. “When we first started, we’d look at our guests and didn’t realize we were seeing ourselves,” says Andrew. “First it was young couples, then it was couples with dogs, and then it was couples with kids.”

Photo by Thomas J. Story floral design by Eugenia Ballvé

Lia plays and the Mariani family dances

As evening arrives, everybody heads up the hill to dance as the sun sets while Lia plays the title track from her new record, which pretty much sums up the day. “It’s immediate how immediate fades away,” the song goes. “Oh, there we are, wherever we are, family album.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, age 4, and her cousin Oliver, age 2, pick radishes and strawberries from the culinary garden at Scribe, the Sonoma winery that has made a name for itself as the standard bearer of next-wave wine country vibes. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. With its winding palm-lined drive, tumbling gardens designed by red-hot Los Angeles landscape design firm Terremoto, and a 1920s hacienda restored just so, Scribe is the sort of place begging to be socialized by young visitors. It also helps that the wine is exceedingly quaffable: that crisp Sylvaner, earthy Pinot Noir, and other single-vineyard bottlings draw folks to freewheeling tastings, inevitably capped off by a hang session on the lawn to watch the sun dip below the vines. It was the perfect spot to while away the day in wine country. Or at least it was before the pandemic.

Photo by Thomas J. Story floral design by Eugenia Ballvé

Not to be deterred, the Mariani family have taken advantage of the dormant days of the shifting lockdown to build new outdoor spaces and make new wines that embody the lawn parties put on hold: an effervescent pink pét-nat available in magnum, a white Pinot Noir, and a zippy and fresh rosé that has the nose of a Provençal classic. Today the family is making the most of their quarantine pod with a family lunch on a deck originally designed to accommodate Covid-safe outdoor dining. The latest lockdown prevented them from ever using it, so they removed the tent, and voilà, a perfect alfresco dining room for the family to gather on this late spring day and toast their blessings.

“We’ve spent the past year making wine and having babies,” says Andrew, the oldest of the siblings. He and his wife, singer-songwriter Lia Ices, welcomed a new baby in the pandemic, 4-month-old Alice, while Adam and his wife, Kezia, have 4-week-old Innes in tow as well as Oliver. The growing families are here to eat a feast prepared by Kelly, a former cook at Chez Panisse. On the menu today: trout poetically wrapped in pickled grape leaves, sesame flatbread, salad from the garden, eggs from their chickens, and lamb ribs roasted in the wood-burning oven. Or, as Kelly puts it: “So. Much. Food.”

The vegetables that show up across the dishes come from the on-site farm, overseen by Stephen Carter whose gorgeous chicories, tender greens, fresh strawberries, and more are the foundation for the garden snacks served to guests when lockdown isn’t in effect. Today music is on the menu, too. Lia has just released Family Album, her fourth record. It’s an exploration of motherhood, connecting with nature, and family bonds. They’ve dusted off the piano they use for events and rolled it out onto a deck up the hill should the mood strike.

The kids head into the chicken coop with their dads and gather eggs while Kelly gets to work in the winery’s new low-slung outdoor kitchen. It’s nestled into the hillside, all poured concrete, stacked stone, with an Argentine grill fueled by oak trees felled on the property. The same wood crackles and blazes in the outdoor pizza oven. Oliver drops an egg he pulled from the chicken coop and accidentally cracks it, but his quick-thinking dad pours it straight onto the oven’s hot stone floor and cooks it through, sprinkles it with flaky salt, and serves it to Oliver straight off the pizza peel. Kelly wraps the trout in grape leaves, stuffs them with herbs, and cooks them until they pick up the char of the leaves and the perfume of the herbs. In the wood oven, the lamb ribs sizzle and brown and the white beans simmer in cast-iron pans. Adam takes a tray of dough balls and cooks them one by one in the 800-degree oven.

And, of course, there’s wine. “We decided to put the pét-nat in magnums,” says Andrew. “It was our first time bottling in large format. Even if people can’t visit us they can bring the Scribe party home.” Until the guests can come back, the family keeps that party going, albeit in a more mellow fashion than in days past. “When we first started, we’d look at our guests and didn’t realize we were seeing ourselves,” says Andrew. “First it was young couples, then it was couples with dogs, and then it was couples with kids.”

Photo by Thomas J. Story floral design by Eugenia Ballvé

Lia plays and the Mariani family dances

As evening arrives, everybody heads up the hill to dance as the sun sets while Lia plays the title track from her new record, which pretty much sums up the day. “It’s immediate how immediate fades away,” the song goes. “Oh, there we are, wherever we are, family album.”


O que está cozinhando em Sonoma (na Scribe Winery, a Lot, no final das contas)

Em uma rara temporada de silêncio na Scribe Winery, a família Mariani se reúne para brindar a novos bebês, vinho novo e novos começos.

O céu azul espreita através da névoa da manhã em Carneros e as crianças estão sujando as mãos da melhor maneira. Una, age 4, and her cousin Oliver, age 2, pick radishes and strawberries from the culinary garden at Scribe, the Sonoma winery that has made a name for itself as the standard bearer of next-wave wine country vibes. Esses vegetais colhidos do mesmo solo que produz Sylvaner crocante e Pinot Noir terroso desempenharão papéis coadjuvantes em um lânguido almoço no vinhedo - isto é, se as crianças não os comerem primeiro.

Ao longo dos anos, os pais das crianças, Andrew e Adam, os vinicultores, junto com a tia Kelly, a chef, transformaram uma fazenda de perus negligenciada em uma próspera vinícola que agora é uma parada obrigatória para os daytrippers do sul de Sonoma que procuram um refúgio vínico na cidade. With its winding palm-lined drive, tumbling gardens designed by red-hot Los Angeles landscape design firm Terremoto, and a 1920s hacienda restored just so, Scribe is the sort of place begging to be socialized by young visitors. It also helps that the wine is exceedingly quaffable: that crisp Sylvaner, earthy Pinot Noir, and other single-vineyard bottlings draw folks to freewheeling tastings, inevitably capped off by a hang session on the lawn to watch the sun dip below the vines. It was the perfect spot to while away the day in wine country. Or at least it was before the pandemic.

Photo by Thomas J. Story floral design by Eugenia Ballvé

Not to be deterred, the Mariani family have taken advantage of the dormant days of the shifting lockdown to build new outdoor spaces and make new wines that embody the lawn parties put on hold: an effervescent pink pét-nat available in magnum, a white Pinot Noir, and a zippy and fresh rosé that has the nose of a Provençal classic. Today the family is making the most of their quarantine pod with a family lunch on a deck originally designed to accommodate Covid-safe outdoor dining. The latest lockdown prevented them from ever using it, so they removed the tent, and voilà, a perfect alfresco dining room for the family to gather on this late spring day and toast their blessings.

“We’ve spent the past year making wine and having babies,” says Andrew, the oldest of the siblings. He and his wife, singer-songwriter Lia Ices, welcomed a new baby in the pandemic, 4-month-old Alice, while Adam and his wife, Kezia, have 4-week-old Innes in tow as well as Oliver. The growing families are here to eat a feast prepared by Kelly, a former cook at Chez Panisse. On the menu today: trout poetically wrapped in pickled grape leaves, sesame flatbread, salad from the garden, eggs from their chickens, and lamb ribs roasted in the wood-burning oven. Or, as Kelly puts it: “So. Much. Food.”

The vegetables that show up across the dishes come from the on-site farm, overseen by Stephen Carter whose gorgeous chicories, tender greens, fresh strawberries, and more are the foundation for the garden snacks served to guests when lockdown isn’t in effect. Today music is on the menu, too. Lia has just released Family Album, her fourth record. It’s an exploration of motherhood, connecting with nature, and family bonds. They’ve dusted off the piano they use for events and rolled it out onto a deck up the hill should the mood strike.

The kids head into the chicken coop with their dads and gather eggs while Kelly gets to work in the winery’s new low-slung outdoor kitchen. It’s nestled into the hillside, all poured concrete, stacked stone, with an Argentine grill fueled by oak trees felled on the property. The same wood crackles and blazes in the outdoor pizza oven. Oliver drops an egg he pulled from the chicken coop and accidentally cracks it, but his quick-thinking dad pours it straight onto the oven’s hot stone floor and cooks it through, sprinkles it with flaky salt, and serves it to Oliver straight off the pizza peel. Kelly wraps the trout in grape leaves, stuffs them with herbs, and cooks them until they pick up the char of the leaves and the perfume of the herbs. In the wood oven, the lamb ribs sizzle and brown and the white beans simmer in cast-iron pans. Adam takes a tray of dough balls and cooks them one by one in the 800-degree oven.

And, of course, there’s wine. “We decided to put the pét-nat in magnums,” says Andrew. “It was our first time bottling in large format. Even if people can’t visit us they can bring the Scribe party home.” Until the guests can come back, the family keeps that party going, albeit in a more mellow fashion than in days past. “When we first started, we’d look at our guests and didn’t realize we were seeing ourselves,” says Andrew. “First it was young couples, then it was couples with dogs, and then it was couples with kids.”

Photo by Thomas J. Story floral design by Eugenia Ballvé

Lia plays and the Mariani family dances

As evening arrives, everybody heads up the hill to dance as the sun sets while Lia plays the title track from her new record, which pretty much sums up the day. “It’s immediate how immediate fades away,” the song goes. “Oh, there we are, wherever we are, family album.”


Assista o vídeo: PowerPoint. APRESENTAÇÃO DE SLIDES PROFISSIONAL EM POUCOS MINUTOS. PARTE 1 (Dezembro 2021).